Direitos Humanos e a cultura organizacional das instituições policiais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31060/rbsp.2022.v16.n2.1329

Palavras-chave:

Direitos Humanos, Cultura Organizacional, Segurança pública

Resumo

Os Direitos Humanos e as instituições policiais brasileiras possuem um inter-relacionamento recente e a sua infiltração nas instituições policiais tem sido cada vez mais objeto de estudo. Busca-se entender os conceitos de cultura organizacional oriundos do campo da Administração, passando pelas peculiaridades atinentes às instituições públicas. Se estabelece a origem da inserção nacional dos conceitos de Direitos Humanos nas formações policiais brasileiras. Por fim, é objeto de análise a cultura policial e os Direitos Humanos, observando-se diversas bibliografias que tratam da temática, assim, objetivando estabelecer a real influência e percepção dos conceitos de Direitos Humanos como cultura organizacional nas polícias brasileiras. 

Biografia do Autor

Daniel Gonçalves Conde, Polícia Militar do Paraná

Bacharel em Segurança Pública e Cidadania pela Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), em razão do Curso de Formação de Oficiais Policiais Militares da Academia Policial Militar do Guatupê (2016). Graduando em Direito na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Especialização em Gestão Pública com ênfase em Direitos Humanos e Cidadania pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

Referências

ADORNO, S. Consolidação democrática e políticas de segurança pública no Brasil: rupturas e continuidades. In: AVERUCHA, J. (Org.). Democracia e instituições políticas brasileiras no final do século XX. Recife: Bagaço, 1998, p. 149-189.

BATTIBUGLI, T. Democracia e segurança pública em São Paulo (1946-1964). Tese (Doutorado em Ciência Política) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Departamento de Ciência Política, Núcleo de Estudos da Violência, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

BEATO, C.; RABELO, K.; OLIVEIRA JÚNIOR, A. Reforma Policial no Brasil. In: BEATO, C. (Org.). Compreendendo e Avaliando: projetos de segurança pública. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

BIO, S. R. Desenvolvimento de sistemas contábeis-gerenciais: um enfoque comportamental e de mudança organizacional. Tese (Doutorado em Contabilidade) – Faculdade de Economia, Administração e Ciências Contábeis, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1987.

BIO, S. R. Sistemas de informação: um enfoque gerencial. São Paulo: Atlas, 1996.

BRASIL. Decreto No 1.904, de 13 de maio de 1996. Institui o Programa Nacional de Direitos Humanos – PNDH. Poder Executivo. Brasília: Diário Oficial da União, seção 1, 14 maio 1996, p. 8237.

BRASIL. Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Segurança Pública. Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento de Pessoas. Matriz Curricular Nacional para Formação dos Profissionais de Segurança Pública, 2003.

BRASIL. Ministério da Justiça. Ministério da Educação. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos; UNESCO, 2007.

BRASIL. Ministério da Justiça. SENASP. Matriz curricular nacional para ações formativas dos profissionais da área de segurança pública. Brasília: Secretaria Nacional de Segurança Pública, 2014.

BRETAS, M. L. A guerra das ruas: povo e polícia na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1997.

BRETAS, M. L.; PONCIONI, P. Cultura Policial e o Policial Civil Carioca. In: PANDOLFI et al. (Orgs.). Cidadania, justiça e violência. Rio de Janeiro: FGV, p. 117-178, 1999.

BRUNET, L. El Clima de trabajo en las organizaciones. México: Trillas, 1987.

CHAN, J. Changing police culture. British Journal of Criminology, v. 36, p. 109-134, 1997.

COCKCROFT, T. Police culture(s): some definitional, methodological, contextual and analytical considerations. In: Police Occupational Culture: New Debates and Directions. Sociology of Crime, Law and Deviance, Vol. 8, 2007.

DEAL, T. E., KENNEDY, A. “Culture: A New Look Through Old Lenses.” The Journal of Applied Behavioral Science, p. 498 – 505, 1983.

DEAL, T.; KENNEDY, A. Corporate cultures. London: Penguin, 1988.

FERNANDES, H. R. Política e segurança. Força Pública do Estado de São Paulo, fundamentos histórico-sociais. São Paulo: Editora Alfa-ômega, 1974.

FERNANDES, H. R. A força pública do Estado de São Paulo. In: FAUSTO, B. (org.) História geral da civilização brasileira, 4 ed. Rio de Janeiro: Bertrarid Brasil, 1990.

FERREIRA, J., NEVES, J. & CAETANO, A. Manual de psicossociologia das Organizações. Lisboa: Mcgraw-Hill. 2001.

FERREIRA, R. M. Sociologia da educação. São Paulo: Moderna, 1993.

FLEURY, M. T. L. Estórias, mitos, heróis - cultura organizacional e relações de trabalho. RAE - Revista de administração de empresas. Rio de Janeiro, v. 27, n. 4, out./dez. 1987.

FLEURY, M. T. L. Cultura da qualidade e mudança organizacional. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 33, n. 2, mar./abr., p. 26-34, 1993.

FLEURY, M. T. L.; FLEURY, A. Os desafios da Aprendizagem e Inovação Organizacional. RAE Light, v. 2, n. 5, p. 14-20, 1995.

FLEURY, M. T. L.; FISHER, R. M. Cultura e Poder nas Organizações. São Paulo: Atlas, 1996.

FREIRE, J. Sociologia do Trabalho: uma Introdução. Porto: Edições Afrontamento, 1993.

FREITAS, M. E. Cultura organizacional: identidade, sedução e carisma? Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas. 2002.

HARROW, J.; WILCOCKS, L. Public services management: activities, initiatives and limits to learning. Journal of management studies. p. 281-304, 1990.

KANT DE LIMA, R. Constituição, Direitos Humanos e processo penal inquisitorial: quem cala, consente? Dados - Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, p. 47-88, 1990.

KANT DE LIMA, R. A Polícia da Cidade do Rio de Janeiro. Seus dilemas e paradoxos. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2a. edição. 1995.

KANT DE LIMA, R. Direitos Civis, Estado de Direito e ‘Cultura Policial’: A Formação Policial em Questão. Revista Brasileira de Ciências Criminais, ano 11, no 41, p. 241-256, 2003.

KOTTER, J. P.; HESKETT, J. L. A cultura corporativa e o desempenho empresarial. São Paulo: Makron Books, 1994.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos de metodologia científica. 8 ed. 3 reimpr. São Paulo: Atlas, 2019.

LIMA, R. S.; BUENO, S.; MINGARDI, G. Estado, polícias e segurança pública no Brasil. Revista Direito GC, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 49-85, jan./abr. 2016.

LOBO, F. Clima organizacional no sector público e privado no norte de Portugal. Porto: Fundação Calouste Gulbenkian; Fundação para a Ciência e a Tecnologia, 2003.

LOPES, C. S.; RIBEIRO, E. A.; TORDORO, M. A. Direitos Humanos e cultura policial na Polícia Militar do Paraná. Sociologias, Porto Alegre, ano 18, n. 41, p. 320-353, jan./abr. 2016.

MANNING, P. Occupational culture. In: JACK, R. G. (Ed.). The Encyclopedia of Police Science. 3 ed. New York: Taylor & Francis Group, p. 865-872, 2007.

MANNING, P. K. A Dialectic of Organisational and occupational culture. In: O’NEILL, M.; MARKS, M.; SINGH, A. M. (Eds.). Police Occupational culture: new debates and directions. Oxford: Elsevier, 2007.

MANZO, A. J. Manual para la preparación de monografías: una guía para presentear informes y tesis. Buenos Aires: Humanistas, 1971.

MINGARDI, G. Tiras, gansos e trutas: cotidiano e reforma na Polícia Civil. São Paulo: Scritta, 1992.

MONJARDET, D. O Que Faz a Polícia. São Paulo: Edusp, 2003. [Série Polícia e Sociedade, n. 10].

MOURA, P. C. O Brasil e a empresa nos anos 90. São Gonçalo/RJ: Laboratórios B. Braun S. A., 1990.

MUNIZ, J., LARVIE, S. P., MUSUMECI, L., & FREIRE, B. Resistências e dificuldades de um programa de policiamento comunitário. Tempo Social, p. 197-213, 1997.

MUNIZ, J. O. Ser policial é, sobretudo, uma razão de ser. Cultura e cotidiano da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1999.

NEVES, J. G. Clima organizacional, cultura organizacional e gestão de recursos humanos. Lisboa: Editora RH, 2000.

OLIVEIRA, L. Do nunca mais ao eterno retorno: uma reflexão sobre a tortura. São Paulo: Brasiliense, 1994.

OLIVEIRA, L. Sua Excelência o Comissário: A Polícia enquanto “Justiça Informal” das classes populares no Grande Recife. Revista Brasileira de Ciências Criminais. São Paulo, ano 11, no 44, jul./set, 2003.

OLIVEIRA, L. Relendo ‘Vigiar e Punir’. DILEMAS: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social.Vol. 4. no 2 ,p. 309-338. jun, 2011.

PAIXÃO, A. L. A Organização Policial numa Área Metropolitana. Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 25, n. 1, p. 63-85, 1982.

PINHEIRO, P. S.; SADER, E. O controle da polícia no processo de transição democrática. Temas IMESC. Soc. Dir. Saúde. São Paulo, p. 77-95, 1985.

PINHEIRO, P. S. Autoritarismo e Transição. Revista da USP, São Paulo, n. 9, 1991.

PINHEIRO, P. S.; IZUMINO, E. A.; FERNANDES, M. C. J. Violência Fatal: conflitos policiais em São Paulo (81-89). Revista USP, São Paulo, mar./mai..p. 95-112, 1991.

PORTO, M. S. G. Sociologia da violência: Do conceito às representações sociais. Brasília: Francis, 2010.

RATTON, J. L. Aspectos Organizacionais e Culturais da Violência Policial. In: RATTON, J. L.; BARROS, M. (Orgs.). Polícia, Democracia e Sociedade. Rio de Janeiro: Lumen Juris, p. 139-151, 2007.

REINER, R. A Política da Polícia. São Paulo: Edusp, 2004. [Série Polícia e Sociedade, n. 11].

REUSS-IANNI, E.; IANNI, F. Street Cops and Management Cops: The two Cultures of Policing. In: PUNCH, M. (Org.). Control in the police organization. Cambridge/MA: MIT Press, p. 251-274, 1983.

RIQUE, C.; SANTOS, M. F. S. (Orgs.). Os Direitos Humanos nas representações sociais dos policiais. Recife: Bagaço, 2004.

ROBBINS, S. P. Administração: mudanças e perspectivas. São Paulo: Saraiva, 2003.

SAPORI, L. F. Segurança pública no Brasil: Desafios e perspectivas. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

SCHABBACH, L. M. ‘Com a lei debaixo do braço’: Direitos Humanos, formação e trabalho policial. Dilemas, v. 8, n. 1, p. 157-188, jan./fev./mar., 2015.

SCHEIN, E. H. Organizational culture and leadership. San Francisco: Jossey Bass, 1991.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 22 ed. rev. e ampl. de acordo com a ABNT. São Paulo: Cortez, 2004.

SKLANSKY, D. Seeing Blue: Police Reform, Occupational Culture, and Cognitive Burn-In. Police Occupational Culture: New Debates and Directions. 2007.

SKOLNICK, J. Justice Without Trial: Law Enforcement in Democratic Society. 4 ed. New Orleans/LA: Quid Pro Books, 2011. [Classics of Law & Society Series].

TOZONI-REIS, M. F. C. Metodologia da Pesquisa. 2 ed. Curitiba: IESDE Brasil S. A., 2009.

TRUJILLO, F. A. Metodologia da ciência. 3. ed. Rio de Janeiro: Kennedy, 1974.

Publicado

2022-03-23

Como Citar

Conde, D. G. (2022). Direitos Humanos e a cultura organizacional das instituições policiais. Revista Brasileira De Segurança Pública, 16(2), 104–121. https://doi.org/10.31060/rbsp.2022.v16.n2.1329