A predisposição para chamar a polícia: um estudo sobre a percepção do desempenho e da confiabilidade das instituições policiais

  • Almir de Oliveira Junior
  • Rafael Augusto da Costa Alencar
Palavras-chave: Percepção social. Confiança na polícia.

Resumo

Este artigo apresenta a análise de dados coletados pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) em 2012 acerca da percepção da população sobre a segurança pública e as polícias. Foram aplicados 3.799 questionários, distribuídos de forma representativa para todas as regiões geográficas do país, com trinta perguntas sobre os temas em análise. Além de fornecerem informações referentes ao seu perfil sociodemográfico e à sua sensação de insegurança, os entrevistados expressaram seu grau de confiança nas polícias e emitiram opiniões sobre os serviços policiais. Utilizando esses dados, o estudo buscou avaliar em que medida a percepção da população sobre o desempenho das polícias e a confiança que nelas depositam são fatores que explicam a predisposição quanto à opção por acioná-las. Concluiu-se, a partir de coeficientes de regressão logística, que uma percepção negativa tem efeito significativo sobre a tendência de optar-se pornão procurar a polícia quando da ocorrência de um crime.

Biografia do Autor

Almir de Oliveira Junior
Doutor em Ciências Humanas (Sociologia e Política) pela Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG. Foi pesquisador do Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública – CRISP da UFMG e professor adjunto da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Atualmente é Técnico de Planejamento e Pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA em Brasília (DF).
Rafael Augusto da Costa Alencar
Sociólogo pela Universidade de Brasília – UnB, onde hoje cursa o doutorado em Sociologia. Trabalhou em pesquisas sobre violência e segurança pública pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre a Mulher – NEPeM da UnB.