A mortalidade por agressões e acidentes de transporte no Brasil, de 2003 a 2007

  • Sônia Corina Hess
  • Ana Paula Alvarenga
Palavras-chave: Violência, Mortalidade, Agressões, Acidentes de transporte, Método de Bayes

Resumo

O presente artigo faz uma análise epidemiológica descritiva da mortalidade por agressões e acidentes de transporte no Brasil,seus Estados e capitais, com base nos registros do Sistema de Informações de Mortalidade do Ministério da Saúde (SIM/MS).No país, entre 2003 e 2007, foram registrados, por ano, mais de 40.000 óbitos decorrentes de agressões e mais de 30.000em acidentes de transporte, totalizando, nesse período, 425.420 vítimas, das quais os homens representavam mais de 90%dos mortos por agressões e mais de 80% dos vitimados por acidentes de transporte. Entre 2003 e 2007, houve aumentode 14,3% no número de vítimas de acidentes de transporte, no país, enquanto para ocupantes de motocicletas mortos ocrescimento foi de 89,1%. Em 2007, a taxa de mortalidade por acidentes de transporte era de 20,3 por 100 mil habitantesno país, sendo ainda maior nos estados de MT, SC, TO, MS, PR, GO, ES, RR, RO e no DF e na maioria das capitais. A aplicaçãodo método estatístico de Bayes resultou na elaboração dos mapas das razões de mortalidade padronizadas para os óbitospor agressões e acidentes de transporte em 425 microrregiões do país. As taxas de mortalidade por agressões e acidentes detransporte registradas no Brasil, entre 2003 e 2007, evidenciaram a necessidade de priorizar a violência como um relevanteproblema de saúde pública.

Biografia do Autor

Sônia Corina Hess
Sônia Corina Hess é engenheira química com doutorado e pós-doutorado em química, professora do curso de EngenhariaAmbiental e de mestrados da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.
Ana Paula Alvarenga
Ana Paula Alvarenga é engenheira ambiental diplomada pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.
Publicado
2010-09-01