Notícias de um massacre anunciado e em andamento: o poder de matar e deixar morrer à luz do Massacre no Presídio de Alcaçuz, RN.

  • Juliana Gonçalves Melo
  • Raul Rodrigues
Palavras-chave: Massacre. Sistema prisional. Familiares de presos. Direitos humanos. Segurança pública.

Resumo

O Massacre nas Penitenciárias Estadual de Alcaçuz e Rogério Madruga (Pavilhão 5), estabelecimentos contíguos e localizados no Estado do RN, ocorrido em janeiro de 2017 e do qual resultaram no mínimo 26 mortos, deu início a uma escalada de violência nunca antes vista no Estado. As consequências se espraiam por todo sistema prisional e têm reflexos nas ruas, com a ocorrência de homicídios e execuções cotidianas de pessoas vinculadas, de um modo direto ou não, a esse contexto. Pela sua dramaticidade, e duração no tempo, o evento permite evidenciar claramente as duas formas de poder estatal expostas por Foucault (2005) nas prisões: o poder soberano de “fazer morrer” e o poder exercido através do dispositivo do “deixar morrer”. Por outro lado, também convida à uma reflexão sobre a condição de pesquisador, militante e testemunha em um contexto marcado pela dor, sofrimento e por violações constantes perpetuadas por parte do Estado, ao mesmo tempo, omisso e violador de direitos.

Biografia do Autor

Juliana Gonçalves Melo
Professora adjunta do Departamento de Antropologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN. Doutora em Antropologia Social pela Universidade de Brasília - UnB. Mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC . Graduada em Ciências Sociais (habilitação em Antropologia) pela UnB.
Raul Rodrigues
Graduando em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN.
Publicado
2017-10-17