O espaço penal e o indivíduopreso: dinâmicas do espaço habitado

  • Suzann Cordeiro
Palavras-chave: Arquitetura prisional, Espaço prisional, Apropriação do lugar, Dinâmicas do espaço habitado

Resumo

Este artigo trata resumidamente de pesquisa acadêmica realizada para obtenção do título de doutorado em psicologiacognitiva, que buscou conjugar conceitos da psicologia à análise da arquitetura prisional, trazendo elementos que permitamconhecer os fenômenos decorrentes da relação homem-espaço prisional. Desenvolvendo atividades, o homem espacializa suasintenções dando-lhes forma física e criando lugares significativos. Pretende-se demonstrar que as formas sociais, por meio dasespacializações, relacionam-se com as formas físicas, criando lugares, que, por sua vez, influenciam as espacializações, poisas formas físicas expressas pela arquitetura e as formas sociais expressas pelos eventos interagem. Assim, cada componentearquitetônico desempenha papel singular em sua articulação com outros elementos e com a vida das pessoas para quem aarquitetura se oferece como linguagem e instrumento e, portanto, cada edificação revela-se como obra única no sentido dasconexões realizadas entre os indivíduos que a habitam e o meio –condição para sua existência como arquitetura.

Biografia do Autor

Suzann Cordeiro
Suzann Cordeiro é professora adjunta da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Alagoas – Ufal,arquiteta e urbanista, especialista em tecnologia dos materiais, mestre em Arquitetura e Urbanismo, pela Ufal, Maceió-AL,doutora em Psicologia Cognitiva, UFPE, Recife-PE. Vice-coordenadora do Grupo de Estudos em Problemas Urbanos – Gepur,colaboradora do Departamento Penitenciário Nacional – Depen/MJ, colaboradora do Servicio Penitenciario Nacional deMinistério da Justicia da Argentina. Membro do International Corrections and Prisons Association Team.
Publicado
2011-03-01