Dados Estatísticos

Estatísticas da RBSP

Ao longo de sua história, a Revista Brasileira de Segurança Pública (RBSP) publicou, até o fim do segundo semestre de 2021, 341 textos, sendo 86,8% deles artigos, o que corresponde a 296 textos. Há ainda notas técnicas (6,7 % dos textos), entrevistas, entre outros materiais. A titulação dos autores também é relevante de ser mencionada. São 208 textos com, pelo menos, um autor com doutorado (61% das publicações). Ao considerar os autores que na época da publicação eram alunos de doutorado, esse número sobe para 226, o que significa que 66% dos materiais publicados pela RBSP contam com pelo menos um autor em processo de doutoramento ou com a titulação já adquirida.

Considerando-se todos os autores principais e os coautores que publicaram na Revista Brasileira de Segurança Pública até então (no total de 657 autores), 360 são homens e 297 mulheres, indicando que elas somam 45,2% do total.

A relevância da Revista é notável. A título de ilustração, o artigo “Da “metáfora da guerra” ao projeto de “pacificação”: favelas e políticas de segurança pública no Rio de Janeiro”, escrito por Márcia Pereira Leite e publicado em 2012 na edição 11, volume 6, n° 2, teve 204 citações até outubro de 2021, o que corresponde a 22,6 citações por ano, segundo o Google Acadêmico. Outro artigo que pode ser utilizado como exemplo é o “Governo que produz crime, crime que produz governo: o dispositivo de gestão do homicídio em São Paulo (1992 – 2011)”, de Gabriel de Santis Feltran, publicado também em 2012 na edição 11, volume 6, n° 2, que conta com 125 citações, correspondendo a 13,8 citações por ano. Por fim, o artigo “Lei Maria da Penha: necessidade de um novo giro paradigmático”, de Carmen Hein de Campos, publicado em 2017 na edição de número 20, volume 11 n.1, possui 43 citações, o que corresponde a 8,6 citações por ano.

Atual

No período comprrendido entre 20/10/2020 e 19/10/2021 a Revista Brasileira de Segurança Pública teve Taxa de Aceitação de 23% dos artigos submetidos. Dos 77% reprovados, 37% foram rejeitados na entrada, enquanto 40% após a avaliação dos pareceristas. Em média a revista leva 188 dias para aceitar para publicação os trabalhos submetidos e 103 dias para rejeitá-los.