Atores não-estatais violentos transnacionais na América do Sul

um exame dos casos do Primeiro Comando da Capital e da Família do Norte

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31060/rbsp.2020.v14.n1.1011

Palavras-chave:

Violência, Crime organizado, Brasil, Primeiro Comando da Capital, Família do Norte

Resumo

Este artigo tem por objetivo descrever a evolução histórica e institucional de duas das principais organizações criminosas brasileiras, o Primeiro Comando da Capital e a Família do Norte. A metodologia se baseia em uma análise qualitativa, por meio da revisão bibliográfica de literatura, além de se fundamentar em entrevistas feitas pelos autores no decorrer de dois anos de investigação científica. Os resultados indicam que as organizações criminosas brasileiras aqui estudadas se desenvolveram em meio ao vácuo da atuação estatal, possibilitando seu crescimento e a ameaça à paz não só da região, mas de toda a América Latina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Alan S. V. Ferreira, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Docente no Departamento de Relações Internacionais da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e Bolsista Produtividade Nível 2 do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). É também Professor Visitante no Mestrado em Desenvolvimento Social na Universidad Núr (Bolívia).

Rodrigo de Souza Framento, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Pesquisador Associado ao Grupo de Estudos em Paz, Ética e Relações Internacionais da Universidade Federal da Paraíba (GEPERI/UFPB) e Bacharel em Relações Internacionais pela mesma instituição.

Referências

ALVAREZ, Marcos César; SALLA, Fernando; DIAS, Camila Nunes. Das comissões de solidariedade ao Primeiro Comando da Capital em São Paulo. tempo social, v. 25, n. 1, p. 61-82, 2013.

AZEVEDO, Solange. A estranha ascensão de Marcola. istoé, n. 2087, 11 nov. 2009.

BIGOLI, Paula dos Santos; BEZERRO, Eduardo Buzetti Eustachio. Facções Criminosas: o Caso do PCC – Primeiro Comando da Capital. colloquium Humanarum, v. 11, n. 3, p. 71-84, 2015.

BIDERMAN, Ciro et al. Pax monopolista and crime: the case of the emergence of the Primeiro Comando da Capital in São Paulo. domestic Violence, n. 3, p. 1-35, 2014.

BIONDI, Karina. A ética evangélica e o espírito do crime. In: REUNIÃO BRASILEIRA DE SOCIOLOGIA, 26., 2008, Goiânia. Anais... Goiânia, 2008.

BIONDI, Karina. Junto e misturado: imanência e transcendência no PCC. 198 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Ufscar, São Carlos, 2009.

BIROL, Alinne Pedra Jorge; DAL RI JUNIOR, Arno. The role of organized crime in informal justice systems: the Brazilian case. Uluslararası Güvenlik ve terörizm dergisi, p. 59-80, 2011.

BRASIL. Polícia Federal. Superintendência Regional no Amazonas. operação la muralla. Manaus: Delegacia de Repressão a Entorpecentes, 2016.

CANDOTTI, F. M.; CUNHA, Flávia M. da; SIQUEIRA, Ítalo B. L. Crime e Estado no Amazonas. le monde diplomatique brasil, mar. 2017.

CHRISTINO, Marcio; TOGNOLI, Claudio. laços de Sangue – a História Secreta do PCC. São Paulo: Matriz, 2017.

DIAS, Camila Caldeira Nunes. Da guerra à gestão: trajetória do Primeiro Comando da Capital (PCC) nas prisões de São Paulo. revista Percurso, Maringá, p. 79-96, 2009a.

DIAS, Camila Caldeira Nunes. Ocupando as brechas do direito formal: o PCC como instância alternativa de resolução de conflitos. dilemas, Rio de Janeiro v. 2, n. 4, p. 83-106, 2009b.

DIAS, Camila Caldeira Nunes. da pulverização ao monopólio da violência: expansão e consolidação do Primeiro Comando da Capital (PCC) no sistema carcerário paulista. 386 f. Tese (Doutorado em Sociologia) – USP, São Paulo, 2011a.

DIAS, Camila Caldeira Nunes. Estado e PCC em meio às tramas do poder arbitrário nas prisões. tempo social, São Paulo, v. 23, n. 2, p. 213-233, 2011b.

DIAS, Camila Caldeira Nunes; DARKE, Sacha. From dispersed to monopolized violence: expansion and consolidation of the Primeiro Comando da Capital’s Hegemony in São Paulo’s prisons. crime, law and Social Change, v. 65, n. 3, p. 213-225, 2016.

DIAS, Camila Caldeira Nunes; SALLA, Fernando. Organized crime in Brazilian prisons: The example of the PCC. international Journal of Criminology and Sociology, v. 2, p. 397-408, 2013.

EZROW, Natacha. global politics and violent non-state actors. Los Angeles: Sage, 2017.

FELTRAN, Gabriel. irmãos: uma história do PCC.São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

FERREIRA, Marcos Alan S. V. Brazilian criminal organizations as transnational violent non-state actors: a case study of the Primeiro Comando da Capital (PCC). trends in organized Crime, v. 22, p. 148-165, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s12117-018-9354-7.

FOLHA DE SÃO PAULO. Gravações revelam governo do AM negociando apoio de facção criminosa. São Paulo,2014.

GALTUNG, Johan. Editorial. Journal of peace research, v. 1, n. 1, p. 1-4, 1964.

GALTUNG, Johan. Peace by Peaceful means: Peace and Conflict, Development and Civilization. London: Sage, 1996.

GENEVA DECLARATION. global burden of Armed Violence 2015: Every Body Counts. Cambridge: Cambridge Univ. Press, 2015.

GLEDHILL, John. the New War on the Poor: The Production of Insecurity in Latin America.Londres: Zed Books, 2015.

HEINEMANN, A.; VERNER, D. crime and Violence in development: A Literature Review of Latin America and the Caribbean. World Bank Policy Research Working Paper4041, Washington DC, 2006.

LEITÃO, Leslie. Governo do Amazonas negocia apoio de traficantes para o 2º turno. Veja, 2017.

LESSING, Benjamin; WILLIS, Graham Denyer. Legitimacy in Criminal Governance: Managing a Drug Empire from Behind Bars, American Political science review, v. 113, n. 2, p. 584-606, May 2019. DOI: https://doi.org/10.1017/S0003055418000928, 2019.

MANDEL, Robert. Global Security Upheaval: Armed Nonstate Groups Usurping State Stability Functions.Redwood City, US: Stanford Security Studies, 2013.

MANSO, Bruno; DIAS, Camila. A guerra: a ascensão do PCC e o mundo do crime no Brasil. São Paulo: Todavia, 2018.

MARQUES, Adalton. “Liderança”, “proceder” e “igualdade”: uma etnografia das relações políticas no Primeiro Comando da Capital. etnográfica, v. 14, n. 2, p. 311-335, 2010.

PETERS, Anne; KOECHLIN, Lucy; ZINKERNAGEL, Gretta. Non-state Actors as Standard Setters: Framing the Issue of an Interdisciplinary Fashion. In: PETERS, Anne; KOECHLIN, Lucy; FÖSTER, Till; ZINKERNAGEL, Gretta (orgs.). Non-state Actors as standard setters. Cambridge: Cambridge University Press, 2009.

PORTAL DO HOLANDA. Comando Vermelho tem estatuto apreendido em poder de traficante em Manaus. 2013.

PRAZERES, Leandro. CV e Família do Norte exploram nova rota de tráfico de maconha na Amazônia. uol, Brasília, DF, 26 fev. 2018.

RAMALHO, Renan. TSE decide manter cassação do governador do Amazonas. g1, Brasília, DF, 4 maio 2017.

SALLA, Fernando. As rebeliões nas prisões: novos significados a partir da experiência brasileira. Sociologias, Porto Alegre, v. 8, n. 16, p. 274-307, 2006.

SCHNECKENER, Ulrich. Spoilers or Governance Actors? Engaging Armed Non-State Groups in Areas of Limited Statehood. SFB-Governance Working Paper Series, Berlin, n. 21, Oct. 2009. 36 p.

SIQUEIRA, Ítalo; PAIVA, Luis. “No Norte, tem Comando”: as maneiras de fazer o crime, a guerra e o domínio das prisões do Amazonas. revista Brasileira de Sociologia, v. 7, n. 17, p. 125-154, 2019.

WALLENSTEEN, Peter. the Growing Peace research agenda. The Joan B. Kroc Institute for International Peace Studies. Occasional Paper, 2001.

WILLIAMS, Phil. Violent non-state actors and national and international security. international relations and Security network. Zurich: Swiss Federal Institute of Technology, 2008.

Downloads

Publicado

18-02-2020

Como Citar

FERREIRA, Marcos Alan S. V.; FRAMENTO, Rodrigo de Souza. Atores não-estatais violentos transnacionais na América do Sul: um exame dos casos do Primeiro Comando da Capital e da Família do Norte. Revista Brasileira de Segurança Pública, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 72–87, 2020. DOI: 10.31060/rbsp.2020.v14.n1.1011. Disponível em: https://revista.forumseguranca.org.br/index.php/rbsp/article/view/1011. Acesso em: 25 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Forças Armadas e Segurança Pública na América Latina