Orçamento de segurança pública e orçamento de defesa no Brasil

análise comparativa da estrutura e variação dos gastos públicos (2003-2017)

Autores

  • Patricia de Oliveira Matos Universidade da Força Aérea (UNIFA)

DOI:

https://doi.org/10.31060/rbsp.2020.v14.n1.1039

Palavras-chave:

Orçamento de segurança pública, Orçamento de defesa, Garantia da Lei e da Ordem (GLO)

Resumo

Em 2016, no evento LAAD Security, o então Secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro afirmou que enquanto o orçamento de defesa brasileiro vinha se recuperando, os orçamentos de segurança pública mantinham-se defasados, o que seria um fator limitador para a execução de políticas públicas de segurança. Perante essa afirmação, questiona-se: como evoluíram os orçamentos de defesa e de segurança pública no período de 2003 a 2017? Como esses orçamentos estão estruturados? Quais as principais variáveis a impactarem sua execução orçamentária? Além desses questionamentos, diante do contexto atual, em que os dois setores (Defesa e Segurança Pública) se fundem nas ações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) e na recente intervenção federal, com o uso das Forças Armadas no Rio de Janeiro, o presente artigo apresenta como objetivos: comparar estruturalmente os orçamentos de segurança pública e de defesa no Brasil de 2003 a 2017; compreender de que maneira se organiza o recém-criado Ministério da Segurança Pública; e levantar dados financeiros sobre as ações de GLO que podem trazer desdobramentos financeiros para as Forças Armadas. Este tipo de análise fornece elementos para a fundamentação do planejamento público e do controle das ações desenvolvidas no âmbito dos dois segmentos e, ainda, do ponto em que tais segmentos vêm apresentando intersecção. A pesquisa traz uma discussão sobre a amplitude dos conceitos de segurança interna e externa, bem como uma revisão bibliográfica e documental sobre os gastos públicos com a área da segurança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patricia de Oliveira Matos, Universidade da Força Aérea (UNIFA)

Professora Associada do Programa de Pós-graduação em Ciências Aeroespaciais da Universidade da Força Aérea (UNIFA). Doutora em Ciências Aeroespaciais pela UNIFA, doutoranda em Economia Política Internacional pela UFRJ, mestre em Economia Aplicada pela Universidade de São Paulo (ESALQ/USP). Atua como pesquisadora da área de Economia de Defesa.

Referências

ADORNO, S. Insegurança versus direitos humanos: entre a lei e a ordem. Tempo Social, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 129-153, 1999.

AFONSO, José Roberto. Gastos públicos com segurança pública. Conjuntura Econômica, Rio de Janeiro, p. 26-28, nov. 2017.

BALLESTEROS, Paula Rodriguez. Gestão de políticas de segurança pública no Brasil: problemas, impasses e desafios. Revista Brasileira de Segurança Pública, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 6-22, fev.-mar. 2014.

BELTRAME, José Mariano. Palestra de Abertura da LAAD Security, Riocentro, Rio de Janeiro, 2016.

BRASIL. Ministério da Defesa. Chefia de Operações Conjuntas. Histórico de GLO. Brasília, DF: Ministério da Defesa, 2020.

BRASIL. Ministério da Defesa. Política de Defesa Nacional. Brasília, DF: Ministério da Defesa, 2012.

BRASIL. Ministério da Defesa. Manual de Garantia da Lei e da Ordem. MD33-M-10. Brasília, DF: Ministério da Defesa, 2013.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti. Brasília, DF: Ministério da Defesa, 2018.

BRASIL. Senado Federal. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

CERQUEIRA, Daniel; LOBÃO, Waldir; CARVALHO, Alexandre X. O jogo dos sete mitos e a miséria da segurança pública no Brasil. Textos para Discussão IPEA, n.1144, dez. 2005.

CERQUEIRA, Daniel. Custo de bem-estar, da violência e criminalidade no Brasil. In: FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário Brasileiro de Segurança Pública, 2017. São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2017. p. 76-78.

FELIU, Pedro; MIRANDA, Rosana.Congresso Nacional e Política Externa: o caso do envio de tropas ao Haiti: Argentina, Brasil e Chile. Política Hoje, v. 310, n. 1, p. 310-342, 2011.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário Brasileiro de Segurança Pública, 2018. São Paulo: Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 2018.

IPEADATA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Base de dados - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. 2018.

JAITMAN, Laura et al. Os custos do crime e da violência: novas evidências e constatações na América Latina e Caribe. Estudo do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). New York: BID, 2017.

JAITMAN, Laura; KEEFER, Philip. Por que é importante estimar os custos do crime? Uma agenda de pesquisa para apoiar as políticas de prevenção do crime na região. In: JAITMAN, Laura et al. Os custos do crime e da violência: novas evidências e constatações na América Latina e Caribe. Estudo do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). New York: BID, 2017.

MATOS, P.O. Orçamento de segurança pública e orçamento de defesa no Brasil: análise comparativa da estrutura e variação dos gastos públicos (2003-2017). In: X ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS DE DEFESA, Universidade de São Paulo (USP), 2018.

NASCIMENTO, Vinícius Damasceno do. Construção do processo decisório de alocação orçamentária para Operações de Paz do Ministério de Defesa do Brasil. Tese (Doutorado em Ciências Militares) – Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, Rio de Janeiro, 2018.

OLIVEIRA JÚNIOR, Almir de; GÓES, Fernanda Lira. A presença brasileira nas Operações de Paz das Nações Unidas. Brasília, DF: IPEA, 2010. (Texto para Discussão, n. 1516).

SAINT-PIERRE, Hector Luis. “Defesa” ou “Segurança”? Reflexões em torno de Conceitos e Ideologias. Contexto Internacional, v. 33, n. 2, p. 407-433, jul.-dez. 2011.

SANTOS, Iris Gomes dos; GONTIJO, José Geraldo Leandro; AMARAL, Ernesto F. L. A política de segurança pública no Brasil: uma análise dos gastos estaduais (1999-2010). Opinião Pública, Campinas, v. 21, n. 1, p. 105-131, abr. 2015.

SENADO FEDERAL. Aprovada criação do Ministério da Segurança Pública. Brasília, DF, Senado Federal, 19 jun. 2018.

SISTEMA INTEGRADO DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO (SIOP). Painel do Orçamento Federal. Base de Dados – Consulta Livre. 2018.

SIPRI - STOCKHOLM INTERNATIONAL PEACE RESEARCH INSTITUTE. Databases. SIPRI Military Expenditure Database. 2018.

SOUZA, Luís Antônio Francisco de. Militarização da segurança pública no Brasil: respostas recentes a um problema antigo. Revista del Departamento de Ciência Política, Universidad Nacional, Sede Medellín, dic. 2011.

WINAND, Érica; SAINT-PIERRE, Hector Luis. A fragilidade da condução política da defesa no Brasil. História (São Paulo). Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, v. 29, n. 2, p. 3-29, 2010.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. World Health Statistics 2018. Geneva: WHO, 2018.

Downloads

Publicado

18-02-2020

Como Citar

MATOS, Patricia de Oliveira. Orçamento de segurança pública e orçamento de defesa no Brasil: análise comparativa da estrutura e variação dos gastos públicos (2003-2017). Revista Brasileira de Segurança Pública, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 14–31, 2020. DOI: 10.31060/rbsp.2020.v14.n1.1039. Disponível em: https://revista.forumseguranca.org.br/index.php/rbsp/article/view/1039. Acesso em: 24 abr. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Forças Armadas e Segurança Pública na América Latina