"Segurança é um dever de todos"

representações coletivas e as políticas de segurança pós-pacificação no Rio de Janeiro

Autores

  • Clara Gomes Polycarpo Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.31060/rbsp.2019.v13.n1.1057

Palavras-chave:

Camadas Médias, Políticas de Segurança, Redes de Mercado, Políticas Públicas, Rio de Janeiro

Resumo

Este artigo pretende abordar uma das preocupações mais latentes da sociedade carioca atual: a questão da violência urbana e o “problema da segurança pública”. A noção de violência urbana, aqui, não diz respeito, porém, a eventos violentos isolados ou ao percentual de atos criminosos em determinadas camadas da sociedade e/ou regiões da cidade, mas sim à sua articulação com a ordem social, como referência de modelos de conduta construídos simbolicamente no convívio social cotidiano. No contexto atual de agenda da política de segurança pública, por exemplo, após uma década de atuação, a lógica do modelo de pacificação, implementado na cidade do Rio de Janeiro desde 2008, e todo o aparato de dispositivos, técnicas e discursos que o legitimou, passa a sofrer desmantelamentos, abrindo espaço para novos problemas de segurança e novos reordenamentos de políticas em disputa na cidade. Para tanto, analisa-se a organização das camadas médias da zona sul do Rio de Janeiro em relação às suas redes de programas, projetos e políticas de segurança no período atual, a partir do acompanhamento dos Conselhos Comunitários de Segurança, e as representações coletivas a respeito da violência urbana e das políticas de segurança em suas redes de mercado e interesses em um novo projeto de militarização (e securitização) da cidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clara Gomes Polycarpo, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

É doutoranda em Sociologia pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IESP/UERJ), mestra em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal Fluminense (PPGS/UFF) e formada em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Atualmente, é pesquisadora no Grupo CASA - estudos sociais sobre moradia e cidade, do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (IESP-UERJ), e no projeto de pesquisa Dicionário de Favelas Marielle Franco, financiado pelo CNPq e pela Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz-RJ).

Referências

DARDOT, Pierre; & LAVAL, Christian. A nova razão de mundo: ensaios sobre a sociedade neoliberal. Rio de Janeiro: Boitempo, 2014.

ELIASOPH, Nina. “Close do Home”: The Work of Avoiding Politics. Theory and Society, v. 26, n. 5, Oct. 1997, pp. 605-647.

FLEURY, Sonia. Militarização do social como estratégia de integração – o caso da UPP do Santa Marta. Sociologias, Porto Alegre, ano 14, n. 30, mai./ago. 2012, pp. 194-222.

GRAHAM, Stephen. Cities Under Siege. Londres: Verso, 2010.

GRAHAM, Stephen. Cidades sitiadas: o novo urbanismo militar. São Paulo: Boitempo, 2016.

HIRATA, Daniel. A produção das cidades securitárias: polícia e política. Le Monde Diplomatique Brasil, ed.ição 56, 7 de mar.ço de 2012.

HIRATA, Daniel; CARDOSO, Bruno. Coordenação como Tecnologia de Governo. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 22, n. 46, p. 97-130, jul./dez. 2016.

KOPITTKE, Alberto. Guardas Municipais: entre a tentação da tradição e o desafio da inovação. Revista Brasileira de Segurança Pública, v. 10, n. 2, p. 72-87, 2016.

LEITE, Márcia; ROCHA, Lia; FARIAS, Juliana; CARVALHO, Monique. (Orgs.). Militarização no Rio de Janeiro: da pacificação à intervenção. Rio de Janeiro: Editora Mórula, 2018.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio. “Violência urbana”, segurança pública e favelas – o caso do Rio de Janeiro. Caderno CRH, Salvador, v. 23, n. 59, p. 288-300, maio/ago. 2010.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio. Sociabilidade violenta: por uma interpretação da criminalidade contemporânea no Brasil. Sociedade e Estado, Brasília, v. 19, n. 1, p. 53-84, jan./jun. 2004.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio; LEITE, Márcia Pereira; FRIDMAN, Luis Carlos. Matar, morrer, ‘civilizar’: o ‘problema da segurança pública’. Rio de Janeiro: IBASE/Action AindBrasil/Fundação Ford, 2005. (Relatório do Projeto MAPAS).

MISSE, Michel; BRETAS, Marcos Luiz. As guardas municipais no Brasil – diagnóstico das transformações em curso. Rio de Janeiro: Booklink, 2010.

PATRÍCIO, Luciane. Guardas Municipais brasileiras: um panorama estrutural, institucional e identitário. Anuário Brasileiro de Segurança Pública, v. 2, p. 68-71, 2008.

POLYCARPO, Clara. Os ‘inimigos urbanos’ de um novo projeto de cidade: atualizando as representações coletivas das camadas médias do Leme “pós-pacificação”’. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal Fluminense, 2018.

RIO DE JANEIRO (Estado). Decreto nº 45.475, de 27 de novembro de 2015. Institui programa de estímulo operacional (PEOp) para as operações realizadas no âmbito da Secretaria de Estado de Governo, autoriza a convocação para serviço ativo voluntário de policiais militares da reserva remunerada e dá outras providências. DO, Rio de Janeiro, 30 nov. 2015.

RIO DE JANEIRO (Estado). Decreto nº 45.629, de 12 de abril de 2016. Transfere as Operações Lei Seca, Lapa Presente e Segurança Presente da Secretaria de Estado de Governo para a Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos, no poder executivo do Estado do Rio de Janeiro, e dá outras providências. DO, Rio de Janeiro, 13 abr. 2016.

RIO DE JANEIRO (Município). Plano Estratégico da Cidade do Rio de Janeiro 2017-2020 – Rio 2020: mais solidário e mais humano. Rio de Janeiro: Prefeitura do Rio, 2017a.

RIO DE JANEIRO (Município). Decreto nº 43979, de 27 de novembro de 2017. Fica instituído o projeto piloto do Rio Mais Seguro e dá outras providências. DO, Rio de Janeiro, 27 nov. 2017b.

RJ MONTOU programa de segurança privada sem consultar Beltrame. Veja, 9 dez. 2015.

ROSE, Nikolas; MILLER, Peter. Governando o presente. São Paulo: Paulus, 2012.

Downloads

Publicado

20-09-2019

Como Citar

POLYCARPO, Clara Gomes. "Segurança é um dever de todos": representações coletivas e as políticas de segurança pós-pacificação no Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Segurança Pública, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 114–139, 2019. DOI: 10.31060/rbsp.2019.v13.n1.1057. Disponível em: https://revista.forumseguranca.org.br/index.php/rbsp/article/view/1057. Acesso em: 15 abr. 2024.