Projeto “Reinventando Masculinidades” em Amambai, MS

a Polícia Militar construindo uma proposta de ação humanizadora

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31060/rbsp.2024.v18.n1.1746

Palavras-chave:

Masculinidades, Violência doméstica, Relações de gênero

Resumo

Neste artigo, delineamos o Projeto Reinventando Masculinidades, em seus objetivos, seu escopo teórico-metodológico e nos primeiros resultados da ação, no município de Amambai/MS. A problemática que lançamos no projeto é diminuir a reincidência da violência perpetrada por homens contra as mulheres, bem como atuar no cumprimento das medidas protetivas, evitando uma nova prisão. Também vislumbramos que a proposta tenha um alcance maior, como com a educação de gênero voltada para a prevenção da violência interseccional, pois esta é fundamental para preparar/refletir sobre relacionamentos e construção de famílias, bem como sobre as posições identitárias pai/mãe, esposo/esposa, feminino/masculino. Concluímos que, no âmbito da segurança pública, esta experiência com o projeto permite uma efetiva concretização da filosofia de polícia comunitária e, no campo judicial, a concretização da justiça restaurativa. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tania Zimmermann, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Pós-doutorado em História e professora da graduação e pós-graduação da Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul.

Adelino Schibilski, Polícia Militar

É praça da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul desde 2010, atualmente 3o Sargento, lotado na 3a Companhia Independente de Polícia Militar em Amambai, atua no setor de projetos e programas, como membro da equipe técnica do Programa Mulher Segura (PROMUSE), idealizador e instrutor do projeto Reinventando Masculinidades e instrutor do Programa Educacional de Resistência às Drogas (PROERD).

Referências

BEAUVOIR, Simone de. O Segundo Sexo. Tradução de Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. 4 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

BRASIL, Lei Nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8º do art. 226 da Constituição Federal [...].

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidente da República, 2016.

BROWN, Wendy. Nas ruínas do neoliberalismo: a ascensão da política antidemocrática no ocidente. São Paulo: Politeia, 2019.

CONFORT, Maria. Você sabe o que é masculinidade tóxica?. Portal Geledés, 26 jun. 2017.

CONNELL, Robert; MESSERSCHMIDT, James. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Revista Estudos Feministas, v. 21, n. 1, p. 241-282, mai. 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2013000100014

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o Encontro de Especialistas em Aspectos da Discriminação Racial Relativos ao Gênero. Estudos Feministas, ano 10, n. 1, p. 171-188, 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100011

DELPHY, Christine. Patriarcado. In: HIRATA, Helena; LABORIE, Françoise; DOARÉ, HÉLÈNE Le; SENOTIER, Danièle (Orgs.). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Unesp, 2009, p. 173-178.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e Mudança Social. 2 ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2016.

FBSP – Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Violência contra mulheres em 2021. São Paulo: FBSP, 2022.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a Bruxa. Tradução: Coletivo Sycorax. SP: Elefante, 2004.

LAQUEUR, Thomas. Inventando o Sexo: corpo e gênero dos gregos à Freud. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

MATO GROSSO DO SUL. Portaria 32/PMMS. Lei do Agosto Lilás, Nº 4.969/2016.

MATO GROSSO DO SUL. Relatório de 2020 sobre Feminicídio, do Poder Judiciário de MS.

MATO GROSSO DO SUL. Defensoria Pública. In: http://www.defensoria.ms.gov.br/. Acesso em: 7 dez. 2023.

MATO GROSSO DO SUL. Secretaria de Estado de Cidadania e Cultura Subsecretaria de Estado de Políticas Públicas para as Mulheres. Mapa do Feminicídio. Volume 3. 2022.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. 2 ed. São Paulo: Expressão Popular; Fundação Perseu Abramo, 2015.

SCHIBILSKI, Adelino; MEDEIROS, Márcia; ZIMMERMANN, Tânia. Projeto de Extensão Universitária “Mulher Segura”. Revista NUPEM, v. 10, n. 19, p. 72-85, jan./abr. 2018. DOI: https://doi.org/10.33871/nupem.v10i19.386

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. New York: Columbia University Press, 1989, p. 10-29.

SEGATO, Rita Laura. Las estruturas elementares de la violencia. Bernal: Universidad Nacional de Quilmes, 2003.

SEGATO, Rita Laura. Que és un feminicídio: notas para un debate emergente. Brasília: Universidade de Brasília, Departamento de Antropologia, 2006.

SEGATO, Rita Laura. Gênero e Colonialidade: em busca de chaves de leitura e de vocabulário estratégico descolonial. e-cadernos CES, n.18, p. 106-131, 2012. DOI: https://doi.org/10.4000/eces.1533

TJDFT – Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios. Justiça Restaurativa: entenda conceitos e objetivos. Portal do TJDFT, Imprensa, Notícias, Por RM, maio 2019.

TJPR – Tribunal de Justiça do Estado do Paraná. Patrulha Maria da Penha. Portal do TJPR, [s.d.].

WELZER-LANG, Daniel. A construção do masculino: dominação das mulheres e Homofobia. Revista Estudos Feministas, v. 9, n. 2, p. 460-482, 2001. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2001000200008

Downloads

Publicado

01-02-2024

Como Citar

ZIMMERMANN, Tania; SCHIBILSKI, Adelino. Projeto “Reinventando Masculinidades” em Amambai, MS: a Polícia Militar construindo uma proposta de ação humanizadora. Revista Brasileira de Segurança Pública, [S. l.], v. 18, n. 1, p. 92–115, 2024. DOI: 10.31060/rbsp.2024.v18.n1.1746. Disponível em: https://revista.forumseguranca.org.br/index.php/rbsp/article/view/1746. Acesso em: 28 maio. 2024.