Uso do biofeedbackno treinamento policial

Autores

  • Wilquerson Felizardo Sandes Polícia Militar do Mato Grosso
  • Orivaldo Peres Bergas Academia de Polícia Militar Costa Verde

DOI:

https://doi.org/10.31060/rbsp.2013.v7.n1.210

Palavras-chave:

Biofeedback, Ação policial, Síndrome de emergência de Cannon.

Resumo

Em uma situação ameaçadora de alto risco de vida, o policial não tem muito tempo para uma avaliação racional e, às vezes, é “pilotado” pelas emoções, podendo em caso de grande ameaça cometer um erro na decisão. Este artigo oferece novos subsídios para o treinamento policial com o uso do biofeedback, visando a melhoria do autocontrole emocional em ocorrências de risco com uso de equipamentos biotecnológicos para revelar alguns eventos fisiológicos internos, normais e anormais, sob a forma de sinais visuais e auditivos, a fim de ensinar o indivíduo a manipular esses eventos involuntários do organismo. Uma parte do estudo enfoca a síndrome de emergência de Cannon, referente ao impulso emocional de lutar ou fugir de uma situação ameaçadora diante da liberação de uma complexa cascata de hormônios. Outra parte relata as distorções perceptivas de policiais em eventos com disparos de armas de fogo, como a “visão de túnel”, “piloto automático”, “movimento lento do tempo” e até mesmo paralisia temporária. Metodologicamente a pesquisa combina pesquisa exploratória e etnometodologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wilquerson Felizardo Sandes, Polícia Militar do Mato Grosso

Wilquerson Felizardo Sandes é coronel da Polícia Militar de Mato Grosso. Doutorando em Educação pela Unicamp, mestre em Educação pela UFMT, especialista em Gestão de Segurança Pública (CSP), graduado em Administração pela PMMT. Comandante do II Comando Regional da Polícia Militar de Mato Grosso.

Orivaldo Peres Bergas, Academia de Polícia Militar Costa Verde

Orivaldo Peres Bergas é doutorando em Educação pela WIU/EUA, mestre em Agricultura Tropical pela UFMT, graduado em Ciências Sociais, Historia e Geografia pela Fafipa-PR, bacharel em Direito pela Fafi/Unemat, especialista em Metodologia Científica e Metodologia de Ensino Superior pela FGV-RJ. Professor de Metodologia Cientifica e Ciência Política na APMCV e Unic/Iuni, professor de Criminologia na Acadepol e Direito Internacional na UNIC Pantanal.

Referências

AMADOR, F. S. Violência policial – verso e reverso do sofrimento. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2002.

ARTWOHL, A. Perceptual and memory distortion during officer – involved shootings. FBI Law Enforcement Bulletin. October, 2002.

ARTWOHL, A.; CHRISTENSEN, L. W. Deadly force: encounters. Boulder: Paladin Press, 1997.

BAYLEY, D. H. Padrões de policiamento: uma análise internacional comparativa. 2 ed. São Paulo: Editora da USP; 2002 (Polícia e Sociedade n.º 1).

BEAR, Mark F. Neurociências: desvendando o sistema nervoso. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2002.

BITTNER, E. Aspectos do trabalho policial. São Paulo: USP, 2003 (Polícia e Sociedade n.º 8).

CARVALHO, S. Os efeitos de stress policial – uma breve abordagem ecológica. Dissertação (Mestrado). Porto: Universidade do Porto, 2009.

CLOT, I. A função psicológica do trabalho. Petrópolis: Vozes, 2006.

DAMÁSIO, A. R. O erro de Descarte: emoção, razão e o cérebro humano. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

FISHER, C.U.S. Army offers stress reduction classes, including biofeedback training, to military personnel. Biofeedback, mental health. The behavioral medicine report. 26/03/2011.

GOLDSTEIN, H. Policiando uma sociedade livre. São Paulo: USP, 2003 (Polícia e Sociedade n.º 9).

GOLEMAN, D. Inteligência emocional: a teoria revolucionária que redefine o que é ser. Rio de Janeiro: Objetiva, 1995.

GRAEFF, F. Ansiedade, pânico e o eixo hipotálamo-pituitária-adrenal. Revista Brasileira de Psiquiatria, p. 53-56, 2007.

GROSSMAN, D. Matar! Um estudo sobre o ato de matar e o preço cobrado do combatente e da sociedade. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 2007.

GUYTON, A. C.; HALL, J. E. Fisiologia humana e mecanismos das doenças. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

KATZ, Y. IDF turns to biofeedback to help soldiers pilots control stress. Texto traduzido por: Wilquerson Felizardo Sandes. The Jerusalém Post, 18/08/2009.

RIBAS, P. R.; SCIPIÃO, L. C. Aptidão física e o controle do comportamento psicofisiológico de pilotos de helicóptero do Exército Brasileiro pelo Biofeedback. Revista de Educação Física, n. 127, ano de 2003.

SALINAS, A. A síndrome de John Wayne. HSM Management Update, n. 31, abril 2006.

SANDES, W. F. O uso da força na formação de jovens tenentes: um desafio para a atuação democrática da Polícia Militar. Cáceres: Editora Unemat, 2007.

STROEBEL, C. F. Quieting Reflex (QR): a conditioned reflex for optimizing applied psychophysiology, biofeedback and self regulations therapies. In: BASMAJIAN, J. V. Bioffedback: principles and practice for clinicans. 3 ed. Baltmore: Williams e Wilkins, 1989.

SANDWEISS, J. H.; WOLF, S. L. Biofeedback and sports science. New York: Plenum Press, 1985.

VILAR, P. G. A influência da atividade corporal no processo de aprendizagem do relaxamento corporal, através do biofeedback, no adulto. Campinas: Faculdade de Educação Física/Unicamp, 1996.

VONK, K. D. Police performance under stress. Texto traduzido por: Wilquerson Felizardo Sandes. LouKa Tactical Training, 2007.

Downloads

Publicado

28-02-2013

Como Citar

FELIZARDO SANDES, Wilquerson; PERES BERGAS, Orivaldo. Uso do biofeedbackno treinamento policial. Revista Brasileira de Segurança Pública, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 166–180, 2013. DOI: 10.31060/rbsp.2013.v7.n1.210. Disponível em: https://revista.forumseguranca.org.br/index.php/rbsp/article/view/210. Acesso em: 26 maio. 2024.