Constitucionalização da Atividade de Inteligência - Perspectivas e Desafios Brasileiros

Autores

  • Gibran Ayupe Mota Escola de Inteligência/Presidência da República
  • Henrique Geaquinto Herkenhoff Universidade Vila Velha
  • Pablo Lira Universidade Vila Velha
  • Erika Ferrao Universidade Vila Velha

DOI:

https://doi.org/10.31060/rbsp.2018.v12.n1.912

Palavras-chave:

Constituição Federal, Inteligência, Controle e Prerrogativas.

Resumo

No contexto histórico brasileiro, em razão de conjunturas passadas por vezes fomentada por determinados setores da mídia e grupos políticos, a Inteligência de Estado se ressente da ausência de uma política pública consistente para a área. Dentre os reflexos desse abandono, destaca-se a insuficiente regulamentação legislativa, entendida como necessária à implementação de formas de controle e à atribuição de prerrogativas para essa atividade pública, cuja missão precípua resume-se em contribuir, com informações, para os processos decisórios que visam à integridade da sociedade e do Estado brasileiros. Neste contexto, buscou-se, por meio de uma revisão temática da literatura e registros existentes sobre o tema, investigar e refletir sobre a inserção da atividade de Inteligência na Constituição Federal Brasileira, sob os prismas da legalidade e legitimidade, tal como ocorre com as áreas da Defesa e da Segurança Pública. De acordo com a pesquisa, constatou-se o quão carente de regulamentação encontra-se a atividade de Inteligência no Brasil, redundando no risco de graves violações a princípios republicanos, dentre eles o da eficiência e do controle. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gibran Ayupe Mota, Escola de Inteligência/Presidência da República

Mestrando em Segurança Pública pela Universidade Vila Velha (UVV); Corregedor-Geral da Agência Brasileira de Inteligência (ABIN). Docente e palestrante em temas afetos às áreas de Inteligência e Segurança Pública

Henrique Geaquinto Herkenhoff, Universidade Vila Velha

Docente do Mestrado em Segurança Pública e da Graduação em Direito – Universidade Vila Velha – Vila Velha/ES. Doutor em Direito Civil (USP). Ex-Secretário de Segurança Pública do Estado do Espírito Santo (2011/2013). Ex-Desembargador Federal (TRF3, 2007-2010). Ex-Procurador da República e Procurador Regional da República (1996/2003).

Pablo Lira, Universidade Vila Velha

Docente do Programa de Mestrado em Segurança Pública – Universidade Vila Velha – Vila Velha/ES. Doutorando no Programa de Pós-graduação em Geografia (UFES). Coordenador do Núcleo Vitória do INCT Observatório das Metrópoles.

Erika Ferrao, Universidade Vila Velha

Docente do Mestrado em Segurança Pública e da Graduação em Psicologia– Universidade Vila Velha – Vila Velha/ES. Doutora em Psicologia (UFES/SDSU-EUA). Membro de grupos do Diretório de Pesquisa do CNPq (Pesquisas em Psicologia Pediátrica/USP-Ribeirão Preto, Processos Psicológicos e Saúde/UFES).

Referências

ANTUNES, Priscila Carlos Brandão. SNI & ABIN: Entre a Teoria e a Prática. FGV Editora. Rio de Janeiro, 2001.

BARBOSA, Leonardo Augusto de Andrade. História Constitucional Brasileira: mudança constitucional, autoritarismo e democracia no Brasil pós 64. Brasília: Câmara dos Deputados: Edições Câmara, 2016.

BARROSO, Luis Roberto. Interpretação Constitucional como Interpretação Específica. In: CANOTILHO, J. J. Gomes. Comentários à Constituição do Brasil. Saraiva/Almedina. São Paulo, 2014. P 91-96.

BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 26. ed. São Paulo: Malheiros, 2011.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei n.º 9.883, de 7 de dezembro de 1999. Institui o Sistema Brasileiro de Inteligência, cria a Agência Brasileira de Inteligência, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Poder Executivo, Brasília, DF, 8 dez. 1999.

BRASIL. Discursos Senado Federal: espionagem cibernética.

BRASIL. Doutrina Nacional da Atividade de Inteligência: fundamentos doutrinários. – Brasília: Abin, 2016.

CARVALHO, Kildare Gonçalves. Direito Constitucional. 15ª ed. Belo Horizonte, Del Rey, 2009.

CEPIK, Marco. Espionagem e Democracia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

CONSELHO CONSULTIVO DO SISBIN. Manual de Inteligência: Doutrina Nacional de Inteligência - Bases Comuns. Brasília: Agência Brasileira de Inteligência, 2004, 44p, p.12.

DAMMERT, Lucía. La relación entre confianza e inseguridad: el caso de Chile. Rev. Crim., Bogotá , v. 56, n. 1, p. 189-207, Abril 2014 .

DULLES, A. The Craft of Intelligence. Boulder/London: Westview Encore Edition, 1963.

DURAND PONTE, Víctor Manuel. Confianza y eficacia ciudadana en una sociedad con alta desigualdad. Opin. Publica, Campinas , v. 12, n. 2, p. 277-296, Nov. 2006 .

FIGUEIREDO, Lucas. Ministério do Silêncio. Rio de Janeiro: Record, 2005.

GONÇALVES, Joanisval Brito. Revista Brasileira de Inteligência. Agência Brasileira de Inteligência Vol. 1. Brasília: Abin, 2005.

GONÇALVES, Joanisval Brito. Sed Quis Custodiet Ipso Custodes? O controle da atividade de Inteligência em regimes democráticos: os casos de Brasil e Canadá. Tese de doutorado. Universidade de Brasília, 2008, p. 294.

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. Trad. João Baptista Machado. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

KENT, Sherman. Strategic Intelligence for American World Policy. Princeton: Princeton University Press, 1949.

LANIADO, Ruthy Nadia. Troca e reciprocidade no campo da cultura política. Soc. estado. Brasília, v. 16, n.1-2, p.222-244, Dec. 2001.

LOPES, Denise Mercedes Nuñez Nascimento. Para pensar a confiança e a cultura política na América Latina. Opin. Publica, Campinas, v. 10, n. 1, p.162-187, May 2004. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-62762004000100007.

MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. 42ºed. São Paulo: Malheiros Editores, 2015.

MIGUEL, Carlos Ruiz. Servicios de Inteligencia y Seguridad Del Estado Constitucional. Madrid: Ed. Tecnos, 2002.

MORAES, Alexandre. Legitimidade da Justiça Constitucional. São Paulo: Atlas, 2003.

MOTA, Gibran Ayupe. Revista Brasileira de Inteligência. Agência Brasileira de Inteligência – Vol. 2, n. 3 (set. 2006) – Brasília: Abin, 2006.

NEVES, Marcelo. A Constitucionalização Simbólica. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

OLIVEIRA, Thaís de Souza Lima. Legislação simbólica e a alopoiese no direito: por uma aproximação de conceitos a partir de Marcelo Neves.

PERALVA, Angelina. Violência e o Paradoxo Brasileiro: democracia. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

PLATT, Washington. Produção de Informações Estratégicas. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército e Livraria Agir Editora, 1974.

RENNÓ, Lucio R. Confiança interpessoal e comportamento político: microfundamentos da teoria do capital social na América Latina, in Opin. Publica vol.7 no.1 Campinas 2001

RIBEIRO, Ednaldo Aparecido. Confiança política na América Latina: evolução recente e determinantes individuais. Rev. Sociol. Polit., Curitiba, v. 19, n. 39, p. 167-182, June 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782011000200012.

SANDOVAL, Mario. La confianza de los jóvenes chilenos y su relación con la cohesión social. Ultima décad., Santiago , v. 19, n. 34, p. 139-165, jun. 2011. http://dx.doi.org/10.4067/S0718-22362011000100008.

SANTOS, Jeremias. O conhecimento produzido pela atividade de Inteligência a partir da análise criminal como ferramenta acessória: contribuições para ações de segurança pública. 2016. 62f. Dissertação (Mestrado em Segurança Pública) – Universidade Vila Velha, Vila Velha. 2016.

SANTOS, Manoel Leonardo; ROCHA, Enivaldo Carvalho da. Capital social e democracia: a confiança realmente importa? Rev. Sociol. Polit., Curitiba , v. 19, n. 38, p. 43-64, Feb. 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782011000100004.

SANTOS, Roberto Ferreira dos. O arcabouço legal da atividade de Inteligência do Brasil: entre a eficiência e o controle. Universidade de Brasília, 2015.

SARMENTO, Daniel. Direito Constitucional: Teoria, História e Métodos de Trabalho. 1ª ed. Belo Horizonte: Fórum, 2012.

SILVA, Geélison Ferreira da; RIBEIRO, Ludmila Mendonça Lopes. Confiança nas instituições democráticas e vitimização por crime: qual a relação? In Rev. Sociol. Polit. vol.24 no.58 Curitiba June 2016

SOUZA NETO, Cláudio Pereira de. A segurança pública na Constituição Federal de 1988: conceituação constitucionalmente adequada, competências federativas e órgãos de execução das políticas. Revista de Direito do Estado, v. 8, p. 19-73, 2007.

SOUZA NETO, Cláudio Pereira de; MENDONÇA, José Vicente Santos de. Fundamentalização e fundamentalismo na interpretação do princípio constitucional da livre iniciativa. A constitucionalização do direito: fundamentos teóricos e aplicações específicas. Rio de Janeiro: Lúmen Juris, 2006.

STRECK, Lenio Luiz. Jurisdição Constitucional e Hermenêutica: Uma Nova Crítica do Direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2002.

VEIGA, Carla Carvalho e ZOTES, Luiz Pérez. Contribuições da Inteligência Competitiva para a Formulação e Implantação da Estratégia. Revista Eletrônica Sistemas & Gestão. v. 7, n. 4, 2012. p. 628-640.

WAGNER, Tomás Ximenes.

Downloads

Publicado

23-12-2018

Como Citar

MOTA, Gibran Ayupe; HERKENHOFF, Henrique Geaquinto; LIRA, Pablo; FERRAO, Erika. Constitucionalização da Atividade de Inteligência - Perspectivas e Desafios Brasileiros. Revista Brasileira de Segurança Pública, [S. l.], v. 12, n. 1, p. 134–150, 2018. DOI: 10.31060/rbsp.2018.v12.n1.912. Disponível em: https://revista.forumseguranca.org.br/index.php/rbsp/article/view/912. Acesso em: 27 fev. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.