Alguns números da nossa área impressionam quando vistos em perspectiva e, sem dúvida, reforçam o acerto do Fórum Brasileiro de Segurança Pública em perseverar na publicação de um periódico científico de referência e excelência. De acordo com a CAPES, o Brasil conta em 2012 commais de 3.300 teses e dissertações sobre segurança pública. Se somarmos a esse número a quantidade de teses e dissertações que têm palavras-chave assemelhadasà segurança pública (crime, violência e direitos humanos, entre outros), chegamos a um impressionante número de mais de 20 mil trabalhos acadêmicos defendidos nos últimos 30 anos.Trata-se de um imenso estoque de conhecimento e que, paradoxalmente, quase não possui canais dedisseminação e divulgação para a sociedade e/ou para o público especializado.A RBSP vem tentando, ao longo de seus seis anos de existência, ocupar esse espaço e contribuir para o debate dos principaistemas associados à questão da segurança. Nesse processo, a RBSP está inserida num campo de estudos que se mostra profícuo na produção acadêmicaacerca de crime, violência e segurança pública no país e tem buscado aliar alta qualidade técnicae científica dos seus artigos com o incentivo à publicação de contribuição de diferentes segmentos profissionaisligados à área. Afinal, sem circulação de informações, por melhores que elas sejam, não há conhecimentocapaz de fazer avançar a solução dos problemas sociais e dos obstáculos às políticas públicas.E é neste espírito que, para esse número 11, convidamos dois dos principais pesquisadores da áreapara ajudar na seleção e edição de artigos dedicados a pensar a existência (ou a ausência), limites e possibilidadesde políticas e ações de segurança pública em várias regiões do país. 
Publicado: 2012-09-25