Violência contra mulheres na Paraíba:

enfoque para os casos de homicídios no período entre 2011 e 2017

Autores

  • Otoniel Rodrigues dos Anjos Junior UFPB
  • Marily Miguel Porcino

DOI:

https://doi.org/10.31060/rbsp.2021.v15.n1.1110

Palavras-chave:

Violência; Contra Mulher; Paraíba.

Resumo

O objetivo do presente trabalho é verificar o comportamento dos homicídios contra mulheres no Estado da Paraíba entre 2011 e 2017. Para tanto, utiliza-se dados oriundos da Secretaria de Segurança Pública e da Defesa Social da Paraíba. A análise de dados é do tipo quantitativo descritivo e foi construída a partir de gráficos e tabelas. Os resultados mostram que entre 2011 e 2017 ocorreu contração de 45,75% nas mortes de mulheres. Além disso, a proporção de mortes femininas é de 7,8% do total de morte. Por sua vez, a maior parte dos crimes é cometida por armas de fogo (63,6%) e armas brancas (22,3%) respectivamente. A idade mais frequência é 30 anos e, por fim, a taxa de mortalidade por grupo de 100 mil habitantes reduziu 47,5% para os casos de mortes femininas no período. Essa contração pode estar relacionada à implantação de políticas públicas combativas e locais como o programa “Paraíba Unida pela Paz”, à criação dos Centros de Referência de Atendimento à Mulher e, por fim, a implantação de unidades de “Casa-Abrigo” para acolher vítimas de violência doméstica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Otoniel Rodrigues dos Anjos Junior, UFPB

Doutorando em Economia Aplicada (PPGE-UFPB), mestrado em Economia Aplicada (PPGE-UFPB) e graduação em Economia (UFPB). Estuda temas relacionados a criminalidade seus determinantes e/ou efeitos multiplicadores.

Marily Miguel Porcino

Advogada

Referências

A AGENDA 2030 PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.

ANJOS JÚNIOR, O. R. Análise espacial da criminalidade nos municípios paraibanos entre os anos de 2001 e 2013. 125 f. Dissertação (Mestrado) – UFPB, João Pessoa, 2015.

BANDEIRA, Lourdes Maria. Violência de gênero: a construção de um campo teórico e de investigação. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 29, n. 2, p. 449-469, maio/ago. 2014.

BANDEIRA, Lourdes Maria. Três décadas de resistência feminista contra o sexismo e a violência feminina no Brasil: 1976 a 2006. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 24, n. 2, p. 401-438, maio/ago. 2009.

BRASIL. Lei nº 13.104, de 9 de março de 2015. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 10 mar. 2015.

BRASIL. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 8 out. 2006.

BUENO, Samira et al. Atlas da Violência 2018. Rio de Janeiro: IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada, 2018.

BUENO, Samira et al. Atlas da Violência 2017. Rio de Janeiro: IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada, 2017.

CARCEDO, A.; SAGOT, M. Femicidio en Costa Rica 1990-1999. Washington, DC: Organización Panamericana de la Salud, 2000.

CNM – CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE MUNICÍPIOS. Guia para Localização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável nos Municípios Brasileiros: o que os gestores municipais precisam saber. Brasília: CNM, 2016.

CORTES, Gisele Rocha. Centro de Referência da Mulher: violência contra as mulheres e informação. InterScientia, João Pessoa, v. 2, n. 3, p. 99-119, set./dez. 2014.

CORTES, G. R.; LUCIANO, M. C. F.; DIAS, K. C. O. A informação no enfrentamento à violência contra mulheres: Centro de Referência da Mulher “Ednalva Bezerra”: relato de experiência. Biblionline, João Pessoa, v. 8, n. esp., p. 134-151, 2012.

COSTA, M. S.; SERAFIM, M. L. F.; NASCIMENTO, A. R. S. do. Violência contra a mulher: descrição das denúncias em um Centro de Referência de Atendimento à Mulher de Cajazeiras, Paraíba, 2010 a 2012. Epidemiologia e Serviços de Saúde, online, v. 24, n. 3, p. 551-558, 2015.

COSTA, A. M. da et al. Violência contra a mulher: caracterização de casos atendidos em um centro estadual de referência. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, Fortaleza, v. 12, n. 3, p. 627-635, jul./set. 2011.

COUTO, Márcia Thereza et al. Gender conceptions related to violence against women among men and women of low income and low educational level, Sao Paulo, Brazil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 11, p. 1323-1332, 2006.

DIRETRIZES PARA INVESTIGAR, PROCESSAR E JULGAR COM PERSPECTIVA DE GÊNERO AS MORTES VIOLENTAS DE MULHERES.

FONSECA, D. H.; RIBEIRO, C. G.; LEAL, N. S. B. Violência doméstica contra a mulher: realidades e representações sociais. Psicologia & Sociedade, online, v. 24, n. 2, p. 307-314, 2012.

GRAÇA, P. G. R. da; CRUZ, M. S. da; IRFFI, G. Qual o custo econômico dos crimes por arma de fogo na Paraíba? Análises para o ano de 2012 sobre a perda de produtividade. Planejamento e Políticas Públicas, n. 49, jul./dez. 2017.

GOVERNO APRESENTA RESULTADOS DO PROGRAMA PARAÍBA UNIDA PELA PAZ.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estimativas de população.

KRENKEL, S.; MORÉ, C. L. O. O. Violência contra a Mulher, Casas-Abrigo e Redes Sociais: revisão sistemática da literatura. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 37, n. 3, p. 770-783, 2017.

LUCENA, K. D. T. da et al. Análise espacial da violência doméstica contra a mulher entre os anos de 2002 e 2005 em João Pessoa, Paraíba, Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 28, n. 6, p. 1111-1121, jun. 2012.

MARINHEIRO, A. L.; VIEIRA, E. M.; SOUZA, L. Prevalência da violência contra a mulher usuária de serviço de saúde. Revista Saúde Pública, São Paulo, v. 40, n. 4, p. 604-610, 2006.

MARTINS, A. P. A.; CERQUEIRA, D.; MATOS, M. V. M. A institucionalização das políticas públicas de enfrentamento à violência contra as mulheres no Brasil. Nota Técnica, n. 13, Brasília: IPEA, 2015.

MEDRADO, B.; LEMOS, A. R.; BRASILINO, J. Violência de gênero: paradoxos na atenção a homens. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 16, n. 3, p. 471-478, jul./set. 2011.

MENEGHEL, S. N.; HIRAKATA, V. N. Femicídios: homicídios femininos no Brasil. Revista Saúde Pública, São Paulo, v. 45, n. 3, p. 564-574, 2011.

OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO – As Políticas do Brasil para Atingir os ODM.

PERES, M. F. T.; SANTOS, P. C. Mortalidade por homicídios no Brasil na década de 90: o papel das armas de fogo. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 39, n. 1, p. 58-66, 2005.

RABELLO, Patrícia Moreira; CALDAS JÚNIOR, Arnaldo de França. Violência contra a mulher, coesão familiar e drogas. Revista Saúde Pública, São Paulo, v. 41, n. 6, p. 971-978, 2007.

SAGIM, M. B.. Violência doméstica observada e vivenciada por crianças e adolescentes no ambiente familiar. Tese (Doutorado) – USP, Ribeirão Preto, 2008.

SAPORI, L. F. Segurança pública no Brasil: desafios e perspectivas. Rio de Janeiro: FGV, 2007.

SARDENBERG, Cecília. Conceituando “Empoderamento” na Perspectiva Feminista.

SCHIAVO, Márcio R.; MOREIRA, Eliesio N. Glossário Social. Rio de Janeiro: Comunicarte, 2005.

SILVA, A. C. G. et al. Violência contra mulher: uma realidade imprópria. Revista Ciência Saúde Nova Esperança, v. 11, n. 2, p. 101-115, set. 2013.

SILVA, I. V.. Violência contra mulheres: a experiência de usuárias de um serviço de urgência e emergência de Salvador, Bahia, Brasil. Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro, n. 19, sup. 2, p. 263-272, 2003.

VIEIRA, L. J. E. de S. et al. Fatores de risco para violência contra a mulher no contexto doméstico e coletivo. Revista Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 17, n. 3, p.113-125, 2008.

APÊNDICE A – As 17 Metas para o alcance dos ODS

Publicado

24-02-2021

Como Citar

RODRIGUES DOS ANJOS JUNIOR, Otoniel; MIGUEL PORCINO, Marily. Violência contra mulheres na Paraíba:: enfoque para os casos de homicídios no período entre 2011 e 2017. Revista Brasileira de Segurança Pública, [S. l.], v. 15, n. 1, p. 74–91, 2021. DOI: 10.31060/rbsp.2021.v15.n1.1110. Disponível em: https://revista.forumseguranca.org.br/index.php/rbsp/article/view/1110. Acesso em: 17 maio. 2024.