Avaliação da qualidade do sono e fadiga em tripulação de helicópteros militares

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31060/rbsp.2023.v17.n1.1393

Palavras-chave:

Avaliação psicológica, Fadiga, Tripulação de helicópteros militares, Sono

Resumo

O presente artigo tem como objetivo avaliar a qualidade do sono e a fadiga em tripulação de helicópteros militares. Foi realizada uma pesquisa quanti-qualitativa, utilizando como instrumentos os questionários: Índice de Qualidade de Sono de Pittsburgh (PSQI-BR); Escala de Fadiga de Chalder; e Questionário Sociodemográfico. Participaram deste estudo 15 (quinze) profissionais do grupamento aéreo do sexo masculino que trabalham como pilotos, mecânicos, tripulantes e enfermeiros, denominado tripulação do helicóptero. Através dos resultados obtidos neste estudo, foi constatado que a maioria dos tripulantes possuía uma má qualidade de sono devido a fatores estressantes e escala intermitentes de trabalho, não sendo comum a utilização de medicamentos para dormir, representando 6,67% dos pesquisados. Em relação à fadiga, tanto física quanto mental, foi verificada uma porcentagem considerável nestes profissionais, sendo representada por 46,67% da amostra. Devido à importância do tema, é imprescindível a realização de mais estudos em relação ao estresse e à fadiga de trabalhadores desta categoria, devido à natureza da função exercida, bem como aos fatores geradores de estresse organizacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréa Da Silva Mazariolli, UNIP – Universidade Paulista

Doutoranda na Universidade de São Paulo (2021), Mestrado em Psicologia pela Universidade São Francisco (2011), Graduada em Psicologia pela Universidade Paulista (2008), possui curso de extensão universitária em Medicina do Sono (2016). Atua na área de avaliação psicológica. Atualmente é professora da Universidade Paulista UNIP.

Referências

ASCENSÃO, A.; MAGALHÃES, J.; OLIVEIRA, J.; DUARTE, J. A.; SOARES, J. (2003). Fisiologia da fadiga muscular. Delimitação conceptual, modelos de estudo e mecanismos de fadiga de origem central e periférica. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, v. 3, n. 1, p. 108-123, 2003. Doi: https://doi.org/10.5628/rpcd.03.01.108.

BENI, E. A. Aviação de segurança pública e responsabilidade cível do comandante de aeronave da polícia militar do estado de São Paulo. Monografia (Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais) – Secretaria de Estado dos Negócios da Segurança Pública, Polícia Militar do Estado de São Paulo, Centro de Aperfeiçoamento e Estudos Superiores “Cel. PM Nelson Freire Terra”, São Paulo/SP, 2009.

BERTOLAZI, A. N.; FAGONDES, S. C.; HOFF, L. S.; DARTORA E.G.; MIOZZO, I. C.; DE BARBA, M. E.; et al. Validation of the Brazilian Portuguese version of the Pittsburgh Sleep Quality Index. Sleep Med. 201;12(1):70-75. Doi: https://doi.org/10.1016/j.sleep.2010.04.020.

BOIVIN, D. B.; BOUDREAU, P. Impacts of shift work on sleep and circadian rhythms. Pathologie Biologie, v. 62, n. 5, p. 292-301, 2014.

CELESTINO, V. R. R. Fadiga no trabalho de pilotos: uma psicologia sistêmica da aviação civil. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade Católica de Brasília, Escola de Saúde, Brasília/DF, 2017.

CHO, H. J.; WESSELY, S. The prevalence and associations of unexplained chronic fatigue in Brazilian primary care. Primary Care and Community Psychiatry, v. 12, n. 2, p. 81-87, 2007.

CHO, H. J.; COSTA, E.; MENEZES, P. R.; CHALDER, T.; BHUGRA, D.; WESSELY, S. Cross-cultural validation of the Chalder Fatigue Questionnaire in Brazilian primary care. Journal of Psychosomatic Research, v. 62, n. 3, p. 301-304, 2007.

BUYSSE, D. J.; REYNOLDS, C. F.; MONK, T. H.; BERMAN, S. R.; KUPFER, D. J. The Pittsburgh Sleep Quality Index: a new instrument for psychiatric practice and research. Psychiatry Res, 28 (1989), p. 193-213. Doi: https://doi.org/10.1016/0165-1781(89)90047-4.

FERNANDES, R. M. F. O Sono Normal. Revista Medicina, v. 39, n. 2, p. 157-168, 2006.

HCOR INSTITUIÇÃO BENEFICENTE SÍRIA. Como prevenir os distúrbios do sono. HCOR Saúde, n. 19, s.d.

GOUVEIA, V. V.; OLIVEIRA, G. F.; MENDES, L. A. C.; SOUZA, L. E. C.; CAVALCANTI, T. M.; MELO, R. L. P. (2015). Escala de avaliação da fadiga: adaptação para profissionais da saúde. Revista Psicologia: Organizações e Trabalho, v. 15, n. 3, p. 246-256, 2015. Doi: https://dx.doi.org/10.17652/rpot/2015.3.594.

GRANDNER, M. A.; HALE, L.; MOORE, M.; PATEL, N. P. Mortality associated with short sleep duration: the evidence, the possible mechanisms, and the future. Sleep Medicine Reviews, v. 14, n. 3, p. 191-203, 2010.

IATA – INTERNATIONAL AIR TRANSPORT ASSOCIATION; ICAO – INTERNATIONAL CIVIL AVIATION ORGANIZATION; IFALPA – INTERNATIONAL FEDERATION OF AIRLINE PILOTS’ ASSOCIATION. Fatigue Management Guide for Airline Operators. Montreal, v. 2, ago. 2011.

IATA – INTERNATIONAL AIR TRANSPORT ASSOCIATION; ICAO – INTERNATIONAL CIVIL AVIATION ORGANIZATION; IFALPA – INTERNATIONAL FEDERATION OF AIRLINE PILOTS’ ASSOCIATION. Fatigue Management Guide for Airline Operators. 2 ed. [s.l.], 2015.

IATA – INTERNATIONAL AIR TRANSPORT ASSOCIATION; ICAO – INTERNATIONAL CIVIL AVIATION ORGANIZATION; IFALPA – INTERNATIONAL FEDERATION OF AIRLINE PILOTS’ ASSOCIATION. Fatigue Risk Management Systems (FRMS). Implementation Guide for Operators. 1 ed. [s.l.], jul. 2011.

JANSEN, J. M.; LOPES, A. J.; JANSEN, U.; CAPONE, D.; MAEDA, T. Y.; NORONHA, A.; MAGALHÃES, G. (Orgs.). Medicina da noite: da cronobiologia à prática clínica. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2007.

KUBE, L. C. Fisiologia da fadiga, suas implicações na saúde do aviador e na segurança na aviação. Revista Conexão SIPAER, v. 2, n. 1, p. 35-57, 2010.

MARTINS, P. J. F.; MELLO, M. T.; TUFIK, S. Exercício e sono. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 7, n. 1, p. 28-36, 2001.

MELO M. F. S.; SILVANY NETO, A. M. Perfil de morbidade, aspectos ergonômicos e psicossociais, fadiga e perturbação do ciclo circadiano de pilotos de aviação comercial: uma revisão narrativa. Revista Baiana de Saúde Pública, v. 36, n. 3, p. 683-98, 2012.

MOTA, D. D. C. F.; CRUZ, D. A. L. M.; PIMENTA, C. A. M. (2005). Fadiga: uma análise do conceito. Acta Paulista de Enfermagem, v. 18, n. 3, p. 285-293, 2005.

MORAIS, L. C. de; ZANUTO, E. A. C.; QUEIROZ, D. C.; ARAÚJO, M. Y. C.; ROCHA, A. P. R.; CODOGNO, J. S. Associação entre distúrbios do sono e doenças crônicas em pacientes do Sistema Único de Saúde. Journal of Physical Education, v. 28, n. 1, p. e-2844, 29 jun. 2017.

MÜLLER, M. R.; GUIMARÃES, S. S. Impacto dos transtornos do sono sobre o funcionamento diário e a qualidade de vida. Estudos de Psicologia, v. 24, n. 4, p. 519-528, 2007. Doi: https://doi.org/10.1590/ S0103-166X2007000400011.

MURTA, S. G.; TROCCOLI, B. T. Stress ocupacional em bombeiros: efeitos de intervenção baseada em avaliação de necessidades. Estudos de Psicologia, v. 24, n. 1, p. 41-51, 2007. Doi: https://doi.org/10.1590/ S0103-166X2007000100005.

NEVES, G. S. M. L.; MACEDO, P.; GOMES, M. M. Transtornos do sono: atualização (1/2). Revista Brasileira de Neurologia, v. 53, n. 3, p. 19-30, 2017.

PASSOS, MUANA H.P. et al. Reliability and validity of the Brazilian version of the Pittsburgh Sleep Quality Index in adolescents. Jornal de Pediatria [online]. 2017, v. 93, n. 2, p. 200-206. ISSN: 1678-4782. Doi: https://doi.org/10.1016/j.jped.2016.06.006.

PELLEGRINO, P.; MARQUEZE, E. C. Aspects of work and sleep associated with work ability in regular aviation pilots. Revista de Saúde Pública, v. 53, n. 16, 2019. Doi: https://10.11606/S1518-8787.2019053000345.

PETRILLI, R. M.; ROACH, G. D.; DAWSON, D.; LAMOND, N. The sleep, subjective fatigue, and sustained attention of commercial airline pilots during an international pattern. Chronobiology International, v. 23, n. 6, p. 1357-1362, 2006. Doi: https://doi.org/10.1080/07420520601085925.

RUNESON, R; LINDGREN, T.; WAHLSTEDT, K. Sleep problems and psychosocial work environment among Swedish commercial pilots. American Journal of Industrial Medicine, v. 54, n. 7, p. 545-551, 2011. Doi: https://doi.org/10.1002/ajim.20943.

TOURANGEAU, R.; RASINSKI, K. A. Cognitive processes underlying context effects in attitude measurement. Psychology Bulletin, v. 103, n. 3, p. 299-314, 1988.

ZORZANELLI, R. T. A síndrome da fadiga crônica: apresentação e controvérsias. Psicologia em Estudo, v. 15, n. 1, p. 65-71, 2010.

Publicado

14-02-2023

Como Citar

MAZARIOLLI, Andréa Da Silva. Avaliação da qualidade do sono e fadiga em tripulação de helicópteros militares. Revista Brasileira de Segurança Pública, [S. l.], v. 17, n. 1, p. 10–23, 2023. DOI: 10.31060/rbsp.2023.v17.n1.1393. Disponível em: https://revista.forumseguranca.org.br/index.php/rbsp/article/view/1393. Acesso em: 13 jul. 2024.