Luto por suicídio e posvenção na Polícia Militar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31060/rbsp.2022.v16.n3.1413

Palavras-chave:

Luto, Suicídio policial, Polícia Militar, Sobreviventes do suicídio, Posvenção

Resumo

Este artigo apresenta e analisa o processo de luto vivenciado por familiares de policiais militares mortos por suicídio. Dez entrevistas com familiares de policiais da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ) foram examinadas. Esses dados foram coletados pela pesquisa sobre o suicídio e risco ocupacional desenvolvido na referida instituição, entre 2010 e 2012. Destacamos cinco fatores principais nas narrativas, três específicos ao suicídio, que são: (i) as diferenças nos rituais fúnebres relacionados a essas mortes em relação a outras mortes, (ii) a importância da transparência na investigação das causas desses óbitos e, (iii) a ausência de políticas específicas para esses familiares. Além desses, destacamos (iv) as mudanças na dinâmica familiar a partir das mortes e (v) os distintos percursos no acesso desses familiares aos direitos. Por fim, defendemos a inclusão desse grupo nas políticas institucionais de promoção da saúde mental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Novaes Cruz, Núcleo de Estudos da Violência (NEV-USP)

Pesquisadora de Pós-Doutorado no Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo - NEV/USP. Coordenadora Adjunta de Ensino e Pesquisa do Instituto de Pesquisa, Prevenção e Estudos em Suicídio (IPPES Brasil). Doutora em Sociologia pelo IESP-UERJ. Mestre e Bacharela em Ciências Sociais pela UERJ. Bacharela em Comunicação Social (UFRJ).

Dayse Miranda, Instituto de Pesquisa, Prevenção e Estudos em Suicídio

Pós-doutorado em Sociologia pela Universidade do estado do Rio de Janeiro. Atualmente, é presidente do Instituto de Pesquisa, Prevenção e Estudos em Suicídio e coordenadora do Grupo de Estudos em Saúde Mental, Violência(s) e Segurança Pública do IPPES. Autora dos livros: O que a Polícia quer: poder ou competência? e Por que Policiais se Matam? e co-autora da obra As vítimas ocultas.

Amanda Neves Rastrelli, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

É doutoranda no Programa de Pós Graduação em Psicologia Social (PPGPS) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e mestra pelo mesmo programa.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA. Suicídio: informando para prevenir / Associação Brasileira de Psiquiatria, Comissão de Estudos e Prevenção de Suicídio. – Brasília: CFM/ABP, 2014.

ANTON, M. C.; FAVERO, E. Morte repentina de genitores e luto infantil: uma revisão da literatura em periódicos científicos brasileiros. Interação em Psicologia, v. 15, n. 1, p. 101-110, 2011.

BEAUTRAIS, A. L. Suicide Postvention: Support for families, Whanau and significant others after a suicide - A Literature review and synthesis of evidence. Wellington: Project, C. S., 2004.

BERTOLOTE J. M. O suicídio e sua prevenção. São Paulo: Editora Unesp, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria Estadual da Saúde. Prevenção do Suicídio no nível local: orientações para a formação de redes municipais de prevenção e controle do suicídio e para os profissionais que a integram. Porto Alegre: CORAG, 2011.

DURKHEIM, E. O suicídio: In: Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1978, p. 165-202.

FREUD, S (1917). Luto e Melancolia. In: FREUD, S. Obras Completas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

FUKUMITSU, K.; KOVÁCS, M. J. O luto por suicídios, uma tarefa da posvenção. Revista Brasileira de Psicologia, v. 2, n. 2, p. 47-47, 2015.

FUKUMITSU, K.; KOVÁCS, M. J. Especificidades do processo de luto frente ao suicídio. Revista Psico, v. 47, n. 1, p. 3-14, 2016.

GAFPMF. Grupo de Atendimento ao Familiar do Policial Falecido. Disponível em: http://www.dippmerj.rj.gov.br/6.html. Acesso em: 24 jan. 2018.

KOVÁCS M. J. Perdas e o processo de luto. In: INCONTRI, F.; SANTOS, S. (Eds.). A arte de morrer. Visões plurais. São Paulo: Comenius, 2007, p. 217-238.

MIRANDA, Dayse A. Risco ocupacional: A condição do policial militar do Estado do Rio de Janeiro. Relatório de Pesquisa sobre Suicídio, CNPQ, 2012.

MIRANDA, D. (Org.). Por que os policiais se matam? Diagnóstico e prevenção do comportamento suicida na polícia militar do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Mórula Editorial, 2016.

MUNIZ, J. “Ser policial é, sobretudo, uma razão de ser”. Cultura e Cotidiano da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1999.

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – PMERJ. Instrução Normativa PMERJ/EMG-PM3 n. 37, 15 de junho de 2015.

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – PMERJ. Instrução Normativa PMERJ/DGS n. 002, 12 de julho de 2017.

SCAVACINI, K. Suicide Survivors Support Services and Postvention Activities - The availability of services and an interventions plan in Brazil. 50f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública), Karolinska Institutet, Stockholm, 2011.

SILVA, D. R. Na trilha do silêncio: múltiplos desafios do luto por suicídio. In:CASELLATO, G. O resgate da empatia: suporte psicológico ao luto não reconhecido. São Paulo: Summus, 2015, p.111-128.

SOARES, G.; MIRANDA, D.; BORGES, D. As vítimas ocultas da violência na cidade do Rio de Janeiro. 1 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

WORLD HEALTH ORGANIZATION –WHO; INTERNATIONAL ASSOCIATION FOR SUICIDE PREVENTION – IASP. Preventing suicide: how to start a survivor’s group. Geneva: WHO/IASP, 2008.

Publicado

2022-09-26

Como Citar

Cruz, F. N., Miranda, D., & Neves Rastrelli, A. (2022). Luto por suicídio e posvenção na Polícia Militar. Revista Brasileira De Segurança Pública, 16(3). https://doi.org/10.31060/rbsp.2022.v16.n3.1413