Da baixada à zona sul

caminhos da violência política de raça no Rio de Janeiro

Autores

  • Igor Lins Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.31060/rbsp.2023.v17.n1.1532

Palavras-chave:

Violência Racial, Violência Política, Violência Urbana, Ativismo Negro, Milícias

Resumo

A pesquisa busca entender o impacto da violência política e da violência urbana na participação política de ativistas negros no estado do Rio de Janeiro, bem como o entrelaçamento dessas maneiras de violência racial. Foram feitas entrevistas semiestruturadas com 11 militantes de organizações políticas e movimentos sociais. O texto aborda o papel do Estado para aprofundar as desigualdades políticas através do uso da violência como forma de dominação. A partir do material empírico, conclui-se que a violência nos territórios é um desestímulo para o associativismo negro porque cria um significado coletivo para a população negra e, por essa razão, se expressa de maneira tão explícita e fisicamente violenta. Existe um esforço de grupos milicianos e de policiais para silenciar os militantes através do uso do medo como ferramenta para a construção do sentido de ser militante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALEXANDRE, M. A nova segregação: racismo e encarceramento em massa. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2018.

ALMEIDA, S. Racismo estrutural. São Paulo: Pólen, 2019.

ALVES, J. C. de S. Dos barões ao extermínio: uma história da violência na Baixada Fluminense. 2ª ed: Rio de Janeiro, 2020.

ARIAS, E. D. The Impacts of Differential Armed Dominance of Politics in Rio de Janeiro, Brazil. Studies in Comparative International Development, v. 48, n. 3, p. 263-284, 2013.

BIROLI, F.; MARQUES, D. Violência contra as mulheres/de gênero na política. In: PERISSINOTTO, R.; BOTELHO, J. C. A.; BOLOGNESI, B.; BATISTA, M.; SANTOS, M. L. (Orgs.). Política Comparada: teoria e método. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2022.

COSER, L. The functions of social conflict. Toronto: The Free Press, 1964.

COSTA, E. V. O mito da democracia racial no Brasil. In: COSTA, E. V. Da Monarquia à República: momentos decisivos. 6 ed. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1999, p. 367-386.

DARDOT, P.; GUÉGUEN, H.; LAVAL, C.; SAUVÊTRE, P. A escolha da guerra civil: uma outra história do neoliberalismo. 1 ed. São Paulo: Elefante, 2021.

DAVIS, A. Estarão as prisões obsoletas?. 4 ed. Rio de Janeiro: Difel, 2019.

DA VIOLÊNCIA, IPEA Atlas. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. 2020.

DORAN, B. J.; BURGESS, M. B. Putting Fear of Crime on the Map. New York: Springer, 2012.

FANON, F. Da violência. In: FANON, F. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968, p. 23-87.

FELTRAN, G. Margens da política, fronteiras da violência: uma ação coletiva das periferias de São Paulo. Lua Nova, n. 79, p. 201-233, 2010.

FELTRAN, G. Irmãos: uma história do PCC. 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

FERNANDES, F. A Integração do Negro na Sociedade de Classes. São Paulo: Editora Globo, 2008, v. 3.

GOMES, S. A cultura como alternativa: Uma aproximação a partir de sociabilidades militantes na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Dilemas, v. 13, n. 1, p. 57-76, 2020.

HUGGINS, M. O vigilantismo e o Estado: uma vista para o sul e para o norte. O Alferes, v. 10, n. 33, p. 17-38, 1992.

LINS, I. N. A geografia eleitoral das milícias: um estudo exploratório dos candidatos à Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Instituto de Ciência Política, Universidade de Brasília, Brasília, 2022.

LINS, I. N.; FERREIRA, J. V. B. Populismo penal no discurso parlamentar: o debate da violência policial na Câmara dos Deputados (2019-2021). Revista Eletrônica de Ciência Política, v. 13, n. 1, 2022. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/recp.v13i1.82629.

MANSO, B. P. A república das milícias: dos esquadrões da morte à era Bolsonaro. São Paulo: Todavia, 2020.

MBEMBE, A. Crítica da razão negra. 1 ed. Lisboa: Antígona, 2014.

MBEMBE, A. Necropolítica. Arte & Ensaios, n. 32, p. 123-151, 2016.

MOURA, C. Rebeliões da senzala – a questão social no Brasil. 3 ed. São Paulo: Lech Livraria Editora Ciências Humanas, 1981.

OFFE, Claus. Dominação de classe e sistema político: sobre a seletividade das instituições políticas. Problemas estruturais do Estado capitalista. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984 [1972].

RIBEIRO, C.; DIAS, R.; CARVALHO, S. Discursos e práticas na construção de uma política de segurança: o caso do governo Sérgio Cabral Filho (2007-2008). In: JUSTIÇA GLOBAL (Org.). Segurança, tráfico e milícias no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll, 2008, p. 6-15.

RIOS, F. M. Institucionalização do movimento negro no Brasil Contemporâneo. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

SILVA, J. D. S. E.; FERNANDES, F. L.; BRAGA, R. W. Grupos criminosos armados com domínio de território. In: JUSTIÇA GLOBAL (Org.). Segurança, tráfico e milícias no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll, 2008, p. 16-24.

SILVA, L. A. M. Sociabilidade violenta: por uma interpretação da criminalidade contemporânea no Brasil urbano. Sociedade e Estado, v. 19, n. 1, p. 53-84, 2004.

SIMMEL, G. A natureza sociológica do conflito. In: MORAES FILHO, E. (Org.). Simmel: Sociologia. São Paulo: Ática, 1983, p. 122-134.

SOARES, L. E. Desmilitarizar. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2019.

YOUNG, I. M. Justice and the politics of difference. Princeton: Princeton University Press, 1990.

ZALUAR, A. Os medos na política de segurança pública. Estudos Avançados, v. 33, n. 96, p. 5-22, 2019.

Publicado

14-02-2023

Como Citar

LINS, I. Da baixada à zona sul: caminhos da violência política de raça no Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Segurança Pública, [S. l.], v. 17, n. 1, p. 188–207, 2023. DOI: 10.31060/rbsp.2023.v17.n1.1532. Disponível em: https://revista.forumseguranca.org.br/index.php/rbsp/article/view/1532. Acesso em: 29 nov. 2023.