Mineração e segurança pública

feridas abertas por um crime ambiental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31060/rbsp.2023.v17.n2.1586

Palavras-chave:

Violência e Criminalidade, Mineração, Dependência Comunitária, Mariana-MG

Resumo

O problema proposto neste artigo preconiza investigar se o rompimento da Barragem do Fundão causou impacto nos índices de segurança pública da cidade de Mariana-MG. O argumento central desenvolvido parte do pressuposto de que o rompimento da barragem acarretou fenômenos sociais que se relacionam negativamente com os indicadores de violência e criminalidade do município supracitado. Diante da escassez ou mesmo da inexistência de trabalhos que abordem os impactos de desastres ambientais, no que tange especificamente aos índices de segurança pública das localidades envolvidas, tal estudo torna-se relevante na medida em que se propõe fornecer maior compreensão das problemáticas sociais pertencentes a este contexto. Este artigo foi realizado a partir de revisão bibliográfica, análise descritiva de dados secundários e observação participante na região estudada. Sugere-se que as consequências políticas, sociais, econômicas, culturais e ambientais ocasionadas pela crise ambiental de Mariana-MG impulsionou os índices de criminalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Felipe Fachini, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Bacharel e Licenciado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Mestrando em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Pesquisador vinculado ao GT Comportamento e Instituições do Centro de Estudos Internacionais Sobre Governos (CEGOV-UFRGS).

Dr. Marcelo Ottoni Durante, Universidade Federal de Viçosa

Graduação, mestrado e doutorado em Ciências Sociais pela UFMG. Atua atualmente como Professor Associado 1 no Departamento de Ciências Sociais da UFV. Experiência profissional em gestão do conhecimento na área de segurança pública na SSPDF, SENASP/MJ e SPM/PR.

Referências

ADORNO, S. O bacharelismo liberal na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

ATLAS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO NO BRASIL. Atlasbrasil: Mariana-MG, 2010. Perfil.

BAQUERO, M. Cultura política participativa e desconsolidação democrática: reflexões sobre o Brasil contemporâneo. São Paulo em Perspectiva, v. 15, n. 4, p. 98-104, 2001.

BAQUERO, M. O papel do capital social na (re)ativação da ação coletiva dos atingidos por barragens hidrelétricas no Brasil. In: BOTERO, F.; SÁNCHEZ, M. G.; WILLS-OTERO, L.; BARRERO, F. Dinamismo y diversidad de la ciencia política latinoamericana: VII Congreso de la Asociación Latinoamericana de Ciencia Política. Colombia: Ediciones Uniandes – Universidad de los Andes, 2016, p. 59-84.

BARROS, G. L. V. Regular, reparar e resistir: um estudo sobre a ação (e omissão) dos agentes envolvidos no desastre tecnológico no Vale do Rio Doce. Monografia (Bacharelado em Administração Pública) – Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho, Fundação João Pinheiro, Belo Horizonte, 2018.

BATTESTIN, S. Anchieta comprometida com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável-ODS a construção da Agenda 2030. Escola Nacional de Administração Pública (ENAP). Set-2019.

CANTOR, D.; LAND, K. C. Unemployment and crime rates in the post-World War II United States: a theoretical and empirical analysis. American Sociological Review, v. 50, n. 3, p. 317-332, 1985.

CARDOSO, G. R.; SEIBEL, E. J.; MONTEIRO, F. M.; RIBEIRO, E. A. Percepções sobre a sensação de segurança entre os brasileiros: investigação sobre condicionantes individuais. Revista Brasileira de Segurança Pública, v. 7, n. 2, p. 144-161, 2013.

CARVALHO, L. Empresas com bom resultado são mais corruptas. Exame, Negócios, São Paulo, 7 out. 2010.

CERQUEIRA, D. R. C. Causas e consequências do crime no Brasil. Rio de Janeiro: BNDES, 2014.

COASE, R. H. The firm, the market, and the law. Chicago/IL: University of Chicago Press, 2012.

D’AGOSTINO, R. Rompimento de barragem em Mariana: perguntas e respostas. G1, Ciência e Saúde, Notícia, 13 nov. 2015.

FAORO, R. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2021.

FARIA, M. P. Mariana e Brumadinho: a repercussão dos desastres do setor de mineração na saúde ambiental. Anais do XVII Congresso da Associação Nacional de Medicina do Trabalho. Belo Horizonte/MG: Superintendência Regional do Trabalho em Minas Gerais, 2019, p. 16-17.

FERREIRA, J. P. (Org.). Enciclopédia dos municípios brasileiros. Rio de Janeiro: IBGE-Serviço Gráfico, 1957.

FLACH, N. Nos enrolaram e fomos esquecidos, diz prefeito de Mariana sobre desastre. Exame, Brasil, Mariana/MG, 2 fev. 2019.

RENOVA. Fundação Renova.

HENRIQUE, G. Poluição, violência, desemprego: como a mineração impacta a vida das mulheres?. Brasil de Fato, Entrevista, 18 mar. 2019.

HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1968.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Índice de Gini da renda domiciliar per capita – Minas Gerais. IBGE [Tabnet / DataSUS], 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Panorama – Mariana, Minas Gerais, Brasil. IBGE, 2021.

INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ – IPECE. Entendendo o Índice Gini. [s. l.], Governo do Estado do Ceará; Secretaria de Planejamento e Gestão – Seplag; Ipece, [s. d.].

LIMA, D. Prefeito de Mariana declara calamidade financeira e culpa a Vale. Estado de Minas, Notícias, Gerais, 25 mar. 2019.

MATTOS, M. Efeitos vizinhança e eficácia coletiva: a relevância do contexto na explicação sociológica. Sociedade e Estado, v. 33, n. 1, p. 295-301, 2018.

MEDEIROS, C. R. O. Crimes corporativos contra a vida e necrocorporações. Anais do XXXVII Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro, set. 2013.

MÓNICO, L.; ALFERES, V.; PARREIRA, P.; CASTRO, P. A. A Observação Participante enquanto metodologia de investigação qualitativa. CIAIQ 2017, v. 3, p. 724-733, 2017.

MORAIS, J. A; SCHWANZ, M. M. Cultura e Política e a Opção dos Atingidos por Hidrelétricas. Diálogo, n. 39, p. 4, 2018

NASCIMENTO, N. S. F.; HAZEU, M. T. Grandes empreendimentos e contradições sociais na Amazônia: a degradação da vida no município de Barcarena, Pará. Argumentum, v. 7, n. 2, p. 288-301, 2015.

PARK, R. E. The city: Suggestions for the investigation of human behavior in the city environment. American Journal of Sociology, v. 20, n. 5, p. 577-612, 1915.

PARK, R. E.; BURGESS, E. W. The city. Chicago/IL: University of Chicago Press, 2019.

PASSOS, F. L.; COELHO, P.; DIAS, A. (Des)territórios da mineração: planejamento territorial a partir do rompimento em Mariana, MG. Cadernos Metrópole, v. 19, n. 38, p. 269-297, 2017.

PIMENTEL, T. Prefeito de Mariana diz que prejuízo com barragem é de R$100 milhões. G1, Notícias, Mariana, 11 nov. 2015.

PORTAL DA CIDADE MARIANA. Polícia Militar demonstra redução de criminalidade no 1º semestre de 2020. Portal da Cidade Mariana, Notícias, 30 jul. 2020a.

PORTAL DA CIDADE MARIANA. Urbanização e moradia necessitam de atenção em Mariana. Portal da Cidade Mariana, Notícias, 11 nov. 2020b.

PORTAL DA CIDADE MARIANA. Moradores do bairro Alvorada sofrem com problemas de infraestrutura. Portal da Cidade Mariana, Notícias, Cidade, 9 mar. 2021a.

PORTAL DA CIDADE MARIANA. Ruas centrais da cidade são asfaltadas, mas muitas vias apresentam problemas. Portal da Cidade Mariana, Notícias, 2 abr. 2021b.

PORTO, A. J. M.; SANTOS, L. M. Reflexões sobre o caso da Samarco em Mariana. Revista Conjuntura Econômica, v. 70, n. 6, p. 60-61, 2016.

RAMOS, A. A.; OLIVEIRA, J. F.; ARDI, M. F.; CUNHA, M. A. O caso de estudo “Samarco”: os impactos ambientais, econômicos e sociais, relativos ao desastre de Mariana. UNISANTA Bioscience, v. 6, n. 4, p. 316-327, 2017.

RATTON, J. L. Pobreza, desigualdade, estrutura social e crime. In: LIMA, R. S.; RATTON, J. L.; AZEVEDO, R. G. (Orgs.). Crime, Polícia e Justiça no Brasil. Rio de. Janeiro: Contexto, 2014, p. 591-603.

RIBEIRO, I. Seis meses após crime ambiental em Mariana (MG), as respostas ainda não foram dadas. Brasil de Fato, Minas Gerais, 6 maio 2016.

SAAD-DINIZ, E. Vitimização corporativa e dependência comunitária na criminologia ambiental: o acerto de contas com os desastres ambientais. Boletim do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais, v. 327, p. 2-5, 2020.

SALINAS, N. S. C. Caso Samarco: implicações jurídicas, econômicas e sociais do maior desastre ambiental do Brasil. Biblioteca Digital FGV; FGV Direito Rio. Caso de Ensino, 2016.

SAMARCO. Samarco Mineração. [s. d.].

SAMPSON, R. J. Collective regulation of adolescent misbehavior: validation results from eighty Chicago neighborhoods. Journal of Adolescent Research, v. 12, n. 2, p. 227-244, 1997.

SAMPSON, R. J. Collective efficacy theory: lessons learned and directions for future inquiry. In: CULLEN, F. T.; WRIGHT, J. P.; BLEVINS, K. R. Taking Stock: The status of Criminological Theory. NY/USA: Routledge, 2017, p. 149-167.

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA DE MINAS GERAIS – SEF/MG. ICMS. SEF/MG, [s. d.].

SHAW, C. R.; MCKAY, H. D. Juvenile delinquency and urban areas. Chicago/IL: University of Chicago Press, 1942.

SILVA, B.; MARINHO, F. C. Urbanismo, desorganização social e criminalidade. In: LIMA, R. S.; RATTON, J. L.; AZEVEDO, R. G. Crime, Polícia e Justiça no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, 2014, p. 23-29.

SILVA, C. N.; LIMA, R. Â. P.; SILVA, J. M. P. Uso do território e impactos das construções de hidroelétricas na bacia do rio Araguari (Amapá-Brasil). PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP, Macapá, v. 9, n. 2, p. 123-140, 2017.

SILVA, M. A.; FREITAS, C. M.; XAVIER, D. R.; ROMÃO, A. R. Sobreposição de riscos e impactos no desastre da Vale em Brumadinho. Ciência e Cultura, v. 72, n. 2, p. 21-28, 2020.

SOUZA, A. B. G.; COELHO, C. C. S. Criminologia do desvio no ambiente corporativo: a empresa como causa e como cura da corrupção. In: SAAD-DINIZ, E.; BRODT, L. A.; TORRES, H. A.; LOPES, L. S. (Orgs.). Direito Penal Econômico nas Ciências Criminais. Belo Horizonte: Vorto, 2019, p. 95-121.

WANDERLEY, L. J.; MANSUR, M. S.; MILANEZ, B.; PINTO, R. G. Desastre da Samarco/Vale/BHP no Vale do Rio Doce: aspectos econômicos, políticos e socioambientais. Ciência e Cultura, v. 68, n. 3, p. 30-35, 2016.

WIRTH, L. O urbanismo como modo de vida. Trad. Maria Corrêa Treuherz. In: SIMMEL, G.; PARK, R. E.; WEBER, M.; WIRTH, L.; LAUWE, P. H. C. O fenômeno urbano. Org. e Introd. Otávio Guilherme Velho. Rio de Janeiro, 1967.

WOLFFENBÜTTEL, A. O que é? – Índice Gini. Desafios do Desenvolvimento, ano 1, ed. 4, 2004.

Publicado

01-08-2023

Como Citar

FACHINI, L. F.; DURANTE, M. O. Mineração e segurança pública: feridas abertas por um crime ambiental. Revista Brasileira de Segurança Pública, [S. l.], v. 17, n. 2, p. 202–221, 2023. DOI: 10.31060/rbsp.2023.v17.n2.1586. Disponível em: https://revista.forumseguranca.org.br/index.php/rbsp/article/view/1586. Acesso em: 10 dez. 2023.