E-Gov e o policiamento comunitário

as redes sociais online como mecanismo de interação com o público em tempos de pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31060/rbsp.2022.v16.n3.1661

Palavras-chave:

Polícia Comunitária, Governo Eletrônico, Redes sociais online

Resumo

O isolamento social imposto pela pandemia da COVID-19, em março de 2020, desafiou diferentes setores de atividade, incluindo a segurança pública, que buscou alternativas para fomentar a relação Estado-Sociedade suportadas pelo Governo Eletrônico, especificamente, as práticas de policiamento comunitário, que pressupõem a proximidade com a comunidade. Este artigo tem como objetivo analisar a atuação das polícias militares brasileiras na rede social Instagram, durante a pandemia da COVID-19. Para tanto, realizou-se uma pesquisa documental online nos perfis oficiais das 27 polícias militares brasileiras. A Análise de Conteúdo das postagens resultou em imagens do policial, da sociedade e de suas interações em duas categorias finais: o braço forte e a mão amiga. As polícias militares não exploram todo o potencial das redes sociais online como instrumento para o policiamento comunitário, na valorização da e-participação e da e-democracia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Victor Sousa Ferreira, Universidade Federal de Uberlândia

Bacharel em administração pela Universidade Federal de Viçosa. Mestrado e doutorando em administração pela Universidade Federal de Uberlândia. Policial militar.

Lucila Batista Oliveira, Universidade Federal de Uberlândia

Psicóloga da Universidade Federal de Rondônia (UNIR) e Mestranda em Gestão Organizacional pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Luciana Carvalho, Universidade Federal de Uberlândia

Doutora em Economia e professora Associada da Faculdade de Gestão e Negócio/UFU.

Cintia Rodrigues de Oliveira, Universidade Federal de Uberlândia

Doutora em Administração pela EAESP/FGV.  Professora Associada da Faculdade de Gestão e Negócios da Universidade Federal de Uberlândia. Bolsista Produtividade CNPQ.

Referências

ABDOU, A. M. Good governance and COVID‐19: The digital bureaucracy to response the pandemic (Singapore as a model). Journal of Public Affairs, mar. 2021. Doi: 10.1002/pa.2656.

ALCADIPANI, R.; MEDEIROS, C. R. D. O. Policiais na rede: repertórios interpretativos nas manifestações discursivas de comunidades criadas por policiais no Facebook. FAROL: Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, v. 3, n. 7, p. 559-627, 2016.

ALVES, M. C.; ARIAS, E. D. Understanding the Fica Vivo programme: Two-tiered community policing in Belo Horizonte, Brazil. Policing and Society, v. 22, n. 1, p. 101-113, 2012.

ANGELIM, D. O fenômeno dos blogs policiais: Uma visão sobre disciplina e hierarquia na PMERJ. Rio de Janeiro: Novas Edicoes Academicas, 2015.

ARIAS, E. D.; UNGAR, M. Community Policing and Latin America’s citizen security crisis. Comparative Politics, v. 41, n. 4, p. 409-429, 2009.

AZEVEDO, S. Órgãos de segurança pública utilizam redes sociais para divulgar ações. Diário de Uberlândia, Notícia, 25 jul. 2021. Disponível em: https://diariodeuberlandia.com.br/noticia/28976/orgaos-de-seguranca-publica-utilizam-redes-sociais-para-divulgar-acoes. Acesso em: 19 nov. 2021.

BACCIN, L. R. S.; CRUZ, T. M. F. DA. Uma reflexão sobre a utilização das redes sociais como forma de auxílio à atuação da Polícia Comunitária. Revista Ordem Pública, v. 8, n. 2, p. 13-34, 2015.

BANGHUI, Z.; YONGHAN, Z.; GUITAO, K. E-government use via social media as a tool to influences young people’s trust in government: An empirical study in a Chinese Municipality. The 21st Annual International Conference on Digital Government Research, p. 16-23, 2020.

BANNISTER, F.; CONNOLLY, R. Defining e-Governance. e-Service Journal, v. 8, n. 2, p. 3-25, 2012.

BARBOSA, A. R. Perfil da produção científica brasileira sobre governo eletrônico. Revista Eletrônica Gestão e Serviços, v. 8, n. 1, p. 1785-1810, 2017.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BATITUCCI, E. C. A evolução institucional da Polícia no século XIX: Inglaterra, Estados Unidos e Brasil em perspectiva comparada. Revista Brasileira de Segurança Pública, v. 4, n. 7, p. 30-47, 2010.

BATITUCCI, E. C.; GODINHO, L.; CASTRO, L. L.; GOMES, L. P. V. Policiamento Comunitário e Participação Social em Minas Gerais: Entre a Narrativa Oficial e a Efetividade das Reformas. In: OLIVEIRA JUNIOR, A. de (Ed.). Instituições Participativas no mbito da Segurança Pública. Rio de Janeiro: Ipea, p. 55-117, 2016.

BEATO FILHO, C.; RIBEIRO, L.; OLIVEIRA, V. C. de; PRADO, S. C. F. Reducción de homicidios en Minas Gerais: Un análisis del programa «Fica Vivo!». Revista CIDOB d’Afers Internacionals, n. 116, p. 129-157, 2017.

BRASIL. Estratégia de Governança Digital: Do Eletrônico ao Digital. Publicado em: 25 nov. 2019. 2019a. Disponível em: https://www.gov.br/governodigital/pt-br/estrategia-de-governanca-digital/do-eletronico-ao-digital. Acesso em: 6 out. 2021.

BRASIL. Diretriz Nacional de Polícia Comunitária. Brasília: Ministério da Justiça e Segurança Pública. Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP), 2019b.

CANO, I. Políticas de segurança pública no Brasil: tentativas de modernização e democratização versus a guerra contra o crime. Sur. Revista Internacional de Direitos Humanos, v. 3, n. 5, p. 136-155, 2006.

CERQUINHO, K. G.; TAVARES, W.; PAULA, A. P. P. de. Movimento Minas: a Participação Cidadã Via Internet no Estado de Minas Gerais. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 4, n. 1, p. 218-236, 2014.

CORDEIRO, A.; MARTINS, C. S. F.; SANTOS, N. B.; RIBEIRO, R. V.; PETRA, T. Governo eletrônico e redes sociais: informação, participação e interação. RECIIS – Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, v. 6, n. 2, 2012.

CRISTÓVAM, J. S. da S.; SAIKALI, L. B.; SOUSA, T. P. de. Governo digital na implementação de serviços públicos para a concretização de direitos sociais no Brasil. Sequência, n. 84, p. 209-242, 2020.

CURTIN, G. G.; SOMMER, M. H.; VIS-SOMMER, V. The World of E-Government. Journal of Political Marketing, v. 2, n. 3-4, p. 1-16, 2003.

DAVISON, R. M.; WAGNER, C.; MA, L. C. K. From government to e-government: a transition model. Information Technology & People, v. 18, n. 3, p. 280-299, 2005.

DAWI, N. M.; NAMAZI, H.; HWANG, H. J.; ISMAIL, S.; MARESOVA, P.; KREJCAR, O. Attitude Toward Protective Behavior Engagement During COVID-19 Pandemic in Malaysia: The Role of E-government and Social Media. Frontiers in Public Health, v. 9, mar. 2021.

FARSOLE, S. R.; KENE, S. B.; BHUJADE, V. V. E-Police Record Management System. International Journal on Recent and Innovation Trends in Computing and Communication, v. 2, n. 3, p. 497-500, 2014.

FERIGATO, S. H.; TEIXEIRA, R. R.; CAVALCANTI, F. de O. L.; DEPOLE, B. de F. Potências do CiberespaSUS: redes sociais como dispositivos de políticas públicas de saúde no Brasil. Ciencia e Saúde Coletiva, v. 23, n. 10, p. 3277-3286, 2018.

FERRAGI, C. A. (ZARE). O sistema Koban e a institucionalização do policiamento comunitário paulista. Revista Brasileira de Segurança Pública, v. 5, n. 8, p. 60-77, 2011.

FERREIRA, D. V. de S.; ALVES, A. L. M.; OLIVEIRA, C. R. de. A Institucionalização das redes Sociais On-Line pela Polícia Militar: ameaça ou oportunidade? Administração: Ensino e Pesquisa, v. 22, n. 3, 2021.

FREITAS, C. S. de. Mecanismos de dominação simbólica nas redes de participação política digital. In: SILVA, S. P. da; BRAGATTO, R. C.; SAMPAIO, R. C. (Eds.). Democracia digital, comunicação política e redes: teoria e prática. Rio de Janeiro: Folio Digital: Letra e Imagem, p. 111-135, 2016.

FREIRE, R. Sete curiosidades sobre contas verificadas no Instagram. Techtudo, 11 set. 2021. Disponível em: https://www.techtudo.com.br/listas/2021/09/sete-curiosidades-sobre-contas-verificadas-no-instagram.ghtml. Acesso em: 8 out. 2021.

FRÜHLING, H. The impact of Community Policing and Police Reform in Latin America. In: TULCHIN, J.; RUTHENBURG, M. (Eds.). Toward a Society under Law: Citizens and Their Police in Latin America. Washington/DC: Woodrow Wilson Center Press, 2006.

FRÜHLING, H. The Impact of International Models of Policing in Latin America: The Case of Community Policing. Police Practice and Research, v. 8, n. 2, p. 125-144, 2007.

GODINHO, L.; OLIVEIRA JUNIOR, A. de; PONCIONI, P.; BUENO, S. Instituições Participativas e Policiamento Comunitário: Referencial Teórico e Revisão da Literatura. In: OLIVEIRA JUNIOR, A. de (Ed.). Instituições Participativas no mbito da Segurança Pública. Rio de Janeiro: Ipea, p. 19-54, 2016.

GOLDSTEIN, H. Policiando uma Sociedade Livre. São Paulo: Edusp, 2003.

GONZÁLEZ, Y. Varieties of Participatory Security: Assessing Community Participation in Policing in Latin America. Public Administration and Development, v. 36, p. 132-143, 2016.

GONZÁLEZ, Y. Participation as a safety valve: Police reform through participatory security in Latin America. Latin American Politics and Society, v. 61, n. 2, p. 68-92, 2019.

HALDENWANG, C. V. Electronic Government (E-Government) and Development. The European Journal of Development Research, v. 16, n. 2, p. 417-432, 2004.

HANADA, L. M.; TAVARES, E.; COSTA, I. de S. A. da. Going Mobile: Oportunidades, Barreiras e Fatores Críticos de Sucesso para Iniciativas de M-Government. Revista Gestão & Conexões, v. 9, n. 2, p. 74-93, 2020.

HAUBRICH, D.; WEHRHAHN, R. Urban crime prevention and the logics of public security policies in Brazil – A relational perspective on the local fields of negotiation. DIE ERDE – Journal of the Geographical Society of Berlin, v. 146, n. 1, p. 21-33, 2015.

HERINGER, L. P.; CARVALHO, R. B. de; LEITE, R. S. Governo Eletrônico e o Uso de Redes Sociais na Comunicação com os Usuários do Sistema Único de Saúde (SUS): Estudo de caso do Facebook da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. RAHIS – Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, v. 16, n. 2, p. 52-68, 2019.

KHAN, S.; UMER, R.; UMER, S.; NAQVI, S. Antecedents of trust in using social media for E-government services: An empirical study in Pakistan. Technology in Society, v. 64, 2021.

LENHARD, P. Redes Sociais no Governo Eletrônico: O papel do Facebook na promoção do e-legislativo no Brasil. [s.l.] Fundação Getulio Vargas, 2016.

LIMA, P. R. S.; MOTA, F. R. L.; CASSÉ, A. P. O. M.; SALES, T. G. T. Redes sociais como ferramentas de transparência em tempos de covid-19. Logeion: Filosofia da Informação, v. 7, n. 2, p. 88-107, 2021.

LOTTA, G.; SOBRAL, I.; CORRÊA, M.; ALCADIPANI, M.; BUENO, S. A pandemia de Covid-19 e os policiais brasileiros. Nota Técnica. Realização: FGV; Parceria: FBSP, 2020. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/publicacoes_posts/a-pandemia-de-covid-19-e-os-policiais-brasileiros/. Acesso em: 7 jul. 2022.

MACLEAN, D.; TITAH, R. A Systematic Literature Review of Empirical Research on the Impacts of e-Government: A Public Value Perspective. Public Administration Review, v. 82, p. 23-38, 2021.

MALODIA, S.; DHIR, A.; MISHRA, M.; BHATTI, Z. A. Future of e-Government: An integrated conceptual framework. Technological Forecasting & Social Change, v. 173, 2021.

MANDLER, T. Y. The e-police Employee Use of Telecommunications. Journal of Property Management, v. 65, n. 2, 2000.

MARTIN, S. G. La Carta de servicios de la Guardia Civil: compromiso con la ciudadanía. Cuadernos de la Guardia Civil, n. extra 1, p. 86-112, 2015.

MASSARDI, W. de O.; SILVA, E. T. da. Análise das implicações do Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência: o caso das escolas públicas de Ubá. Gestão Contemporânea, v. 10, n. 13, p. 149-164, 2013.

MEDEIROS, P. H. R.; GUIMARÃES, T. de A. Contribuições do governo eletrônico para a reforma administrativa e a governança no Brasil. Revista do Serviço Público, v. 56, n. 4, p. 449-464, 2005.

MEDEIROS, P. H. R.; GUIMARÃES, T. de A. A institucionalização do governo eletrônico no Brasil. Revista de Administração de Empresas, v. 46, n. 4, p. 66-78, 2006.

MINTZBERG, H. Managing government, governing management. Harvard Business Review, v. 76, n. 3, p. 75-83, 1996.

MOLLAH, M. B.; ISLAM, K. R.; ISLAM, S. S. E-police system for improved e-government services of developing countries. 25th IEEE Canadian Conference on Electrical and Computer Engineering (CCECE). 2012.

MOLLAH, M. B.; ISLAM, S. S.; ULLAH, M. A. Proposed e-police system for enhancement of e-government services of Bangladesh. International Conference on Informatics, Electronics & Vision (ICIEV). 2012.

MORAES, J.; MARIANO, S. R. H.; DE SOUZA FRANCO, A. M. Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) no Rio de Janeiro: uma história a partir das percepções e reflexões do gestor responsável por sua implantação. Revista de Administração Pública, v. 49, n. 2, p. 493-518, 2015.

MUNIZ, J.; LARVIE, S. P.; MUSUMECI, L.; FREIRE, B. Resistência e dificuldades de programa de policiamento comunitário. Tempo Social: Revista de Sociologia da USP, v. 9, n. 1, p. 197-213, 1997.

MUNIZ, J.; CARUSO, H.; FREITAS, F. Os estudos policiais nas ciências sociais: um balanço sobre a produção brasileira a partir dos anos 2000. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, v. 84, p. 148-187, 2018.

MUNIZ, J. D. O.; MELLO, K. S. S. Nem tão perto, nem tão longe: o dilema da construção da autoridade policial nas UPPs. Civitas, v. 15, n. 1, p. 44-65, 2015.

PENTEADO, C. L. de C.; CRUZ JUNIOR, B. G. Ação política na internet na era das redes sociais. Ponto-e-Vírgula, n. 26, p. 109-122, 2019.

PEREZ-MOROTEA, R.; PONTONES-ROSAA, C.; NUNEZ-CHICHARROB, M. The effects of e-government evaluation, trust and the digital divide in the levels of e-government use in European countries. Technological Forecasting & Social Change, v. 154, 2020.

PINHO, J. A. G. de. Investigando portais de governo eletrônico de estados no Brasil: muita tecnologia, pouca democracia. Revista de Administração Pública, v. 42, n. 3, p. 471-493, 2008.

PINTO, L. A.; MURAKAMI, L. C.; PIMENTA, M. L.; NUNES, N. de S. Valores em serviços de policiamento comunitário: O Programa Ronda do Quarteirão sob a oática da teoria da cadeia de meios e fins. Revista de Administração Pública, v. 46, n. 1, p. 333-357, 2012.

PONCIONI, P. O modelo policial profissional e a formação profissional do futuro policial nas academias de polícia do Estado do Rio de Janeiro. Sociedade e Estado, v. 20, n. 3, p. 585-610, 2005.

RAMOS, S.; PAIVA, A. (Coords.). A blogosfera policial no Brasil: do tiro ao Twitter. Série Debates CI. Brasília: UNESCO/Representação no Brasil; Rio de Janeiro: CESeC, 2009.

RIBEIRO, L.; VILAROUCA, M. G. “Ruim com ela, pior sem ela”: o desejo de continuidade das UPPs para além das Olimpíadas. Revista de Administração Pública, v. 52, n. 6, p. 1155-1178, dez. 2018.

RIBEIRO, M. M.; BARBOSA, A. F. Medição do uso da internet para a participação. In: SILVA, S. P. da; BRAGATTO, R. C.; SAMPAIO, R. C. (Eds.). Democracia digital, comunicação política e redes: teoria e prática. Rio de Janeiro: Folio Digital: Letra e Imagem, p. 161-188, 2016.

RICCIO, V.; RUEDIGER, M. A.; DUTT-ROSS, S.; SKOGAN, W. Community policing in the Favelas of Rio de Janeiro. Police Practice and Research: An International Journal, v. 14, n. 4, p. 308-318, 2013.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa Social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 2012.

ROSA, A. R. (O) Braço Forte, (A) Mão Amiga: um estudo sobre dominação masculina e violência simbólica em uma organização militar. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Lavras, Lavras/MG, 2007.

ROSENBAUM, D. P. A Mudança no Papel da Polícia: Avaliando a transição para Policiamento Comunitário. In: BRODEUR, J. P. (Ed.). Como reconhecer um bom policiamento. São Paulo: Edusp, 2012.

SÁ, M. As redes sociais como ferramentas de participação cidadã : Os impactos do Facebook do Governo do Distrito Federal (Brasil) na gestão de benefícios sociais. GIGAPP Estudios Working Papers, v. 6, n. 125, p. 269-284, 2019.

SHAMBLEN, S. R.; COURSER, M. W.; ABADI, M. H.; JOHNSON, K. W.; YOUNG, L.; BROWNE, T. J. An international evaluation of DARE in São Paulo, Brazil. Drugs: Education, Prevention and Policy, v. 21, n. 2, p. 110-119, 2014.

SILVA, J. C. Interacionismo e organizações: Performances on-line e imagem institucional da Polícia Militar de Pernambuco. Dilemas – Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, v. 12, n. 3, p. 499-524, 2019.

SILVA, R. R. da. Entre a caserna e a rua: o dilema do pato: uma análise antropológica da instituição policial militar a partir da Academia de Polícia Militar Dom João VI. Niterói/RJ: Editora da UFF, 2011.

SILVA NETO, J. M. da; CANTO, J. A. E.; RIBEIRO, R. P.; RAMALHO, R. de C. R.; MELO, R. P. Desafios da Inclusão e Democratização Digital para o Governo Eletrônico no Brasil. Revista Eletrônica Gestão e Sociedade, v. 2, n. 3, p. 1-10, 2008.

SKOLNICK, J. H.; BAYLEY, D. H. Policiamento Comunitário: Questões e Práticas através do Mundo. São Paulo: Edusp, 2006.

SOUZA, E. de. Grupo Especializado em Áreas de Risco (GEPAR): os dilemas de uma experiência inovadora de prevenção e controle de tráfico de drogas e homicídios em favelas violentas em Belo Horizonte, Brasil. In: CARUSO, H.; MUNIZ, J.; BLANCO, A. C. C. (Eds.). Polícia, Estado e Sociedade: Práticas e Saberes Latino-americanos. Rio de Janeiro: Publit Soluções Editoriais, p. 457-462, 2007.

TASCA, J. E.; ENSSLIN, L.; ENSSLIN, S. R. A avaliação de programas de capacitação: Um estudo de caso na administração pública. Revista de Administração Pública, v. 46, n. 3, p. 647-675, 2012.

TROJANOWICZ, R.; BUCQUEROUX, B. Policiamento Comunitário: como começar. Rio de Janeiro: Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, 1994.

YASIR, A.; HU, X.; AHMAD, M.; RAUF, A.; SHI, J.; NASIR, S. A. Modeling Impact of Word of Mouth and E-Government on Online Social Presence during COVID-19 Outbreak: A Multi-Mediation Approach. International Journal of Environmental Research and Public Health, v. 17, n. 8, 2020.

Publicado

2022-09-26

Como Citar

Sousa Ferreira, D. V., Batista Oliveira, L., Carvalho, L., & Rodrigues de Oliveira, C. (2022). E-Gov e o policiamento comunitário: as redes sociais online como mecanismo de interação com o público em tempos de pandemia. Revista Brasileira De Segurança Pública, 16(3). https://doi.org/10.31060/rbsp.2022.v16.n3.1661

Edição

Seção

COVID-19 e Segurança Pública no Brasil