Homicídios femininos e feminicídios

antes e durante a pandemia de Covid-19 no estado de Pernambuco, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.31060/rbsp.2023.v17.n2.1668

Palavras-chave:

Violência contra a mulher, Desigualdade de gênero, Homicídios, Distribuição espacial, COVID-19

Resumo

O estudo objetiva analisar a distribuição espaço e temporal dos homicídios femininos e feminicídios, antes e durante a pandemia da COVID-19, em Pernambuco. Utilizaram-se dados de crimes violentos letais intencionais da Secretaria de Defesa Social, analisados por municípios e mesorregiões, para o período pré-pandemia (2018-2019) e pandêmico (2020 a janeiro-junho de 2021). Constata-se que houve aumento nos feminicídios em quase todas as mesorregiões. O padrão espacial dos homicídios femininos e feminicídios, por municípios, não apresentou mudanças. A pandemia expôs as vulnerabilidades já existentes e aumentou a situação de risco das mulheres. Além das respostas imediatas de enfrentamento da violência contra a mulher, é essencial promover ações de longo prazo, como a priorização de políticas públicas e estratégias de proteção, considerando as consequências físicas, psicológicas e socioeconômicas da violência durante a pandemia e os seus efeitos permanentes para as mulheres sobreviventes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristine Vieira do Bonfim, Fundação Joaquim Nabuco

Pesquisadora titular da Fundação Joaquim Nabuco. Docente permanente do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal de Pernambuco e do Programa de Pós-graduação em Saúde Pública, Instituto Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz.

Dayane da Rocha Pimentel, Instituto Aggeu Magalhães da Fundação Oswaldo Cruz (IAM-Fiocruz/PE)

Enfermeira com formação acadêmica na Universidade de Pernambuco, Sanitarista e Mestre em Saúde Pública. Atualmente doutoranda em Saúde Pública pelo Programa de Pós-Graduação do Instituto Aggeu Magalhães da Fundação Oswaldo Cruz (IAM-Fiocruz/PE).

Conceição Maria de Oliveira, Secretaria de Saúde do Recife

Chefe do Setor dos Sistemas de Informação em Saúde, Secretaria de Saúde do Recife. Docente da Faculdade de Medicina de Olinda, Pernambuco.

Sheyla Carvalho de Barros, Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco

Mestre em Saúde Coletiva, Universidade Federal de Pernambuco. Enfermeira Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco.

Emylle Thais Melo dos Santos, Universidade Federal de Pernambuco

Especialista. Mestranda em Saúde Coletiva, Universidade Federal de Pernambuco. Especialista em Nutrição em Saúde da Mulher pelo Programa de Residência Multiprofissional Integrado em Saúde- Hospital das Clínicas, Universidade Federal de Pernambuco.

Amanda Priscila de Santana Cabral Silva, Universidade Federal de Pernambuco

Doutorado em Saúde Pública, Instituto Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz. Professora adjunta do Centro Acadêmico de Vitória da Universidade Federal de Pernambuco, Vitória de Santo Antão, Pernambuco, Brasil. Docente do Programa de Pós-graduação stricto sensu do Departamento de Saúde Coletiva do Instituto Aggeu Magalhães da Fundação Oswaldo Cruz

Referências

ADINKRAH, M. Intimate partner femicide-suicides in Ghana: victims, offenders, and incident characteristics. Violence Against Women, Thousand Oaks, v. 20, n. 9, p. 1078-1096, set. 2014. DOI: https://doi.org/10.1177/1077801214549637.

ALMEIDA, T. M. C. Corpo feminino e violência de gênero: fenômeno persistente e atualizado em escala mundial. Sociedade e Estado, Brasília, v. 29, n. 2, p. 329-340, ago. 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922014000200002.

ANJOS JR., O. R.; PORCINO, M. M. Violência contra mulheres na Paraíba: enfoque para os casos de homicídios no período entre 2011 e 2017. Revista Brasileira de Segurança Pública, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 74-91, 2021.

BALBINOTTI, I. A violência contra a mulher como expressão do patriarcado e do machismo. Revista da ESMESC, Florianópolis, v. 25, n. 31, p. 239-264, 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.14295/revistadaesmesc.v25i31.p239.

BARBERO, B. S.; GARCÍA, L. O.; BOIRA, S.; MARCUELLO, C.; CASES, C. V. Femicide Across Europe COST Action, a transnational cooperation network for the study of and approach to femicide in Europe. Gaceta Sanitaria, Barcelona, v. 30, n. 5, p. 393-396, 2016. DOI: https://doi.org/10.1016/j.gaceta.2016.04.019.

BARROS, S. C.; PIMENTEL, D. R.; OLIVEIRA, C. M.; BONFIM, C. V. Factors associated with the homicides of women who are victims of violence. Revista Brasileira de Enfermagem, São Paulo, v. 74, n. 5, e20200630,2021. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2020-0630.

BEVILACQUA, P. D. Mulheres, violência e pandemia de coronavírus. Agência Fiocruz de Notícias, Opinião, Rio de Janeiro, 27 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria Nº 936, de 18 de maio de 2004. Dispõe sobre a estruturação da Rede Nacional de Prevenção da Violência e Promoção da Saúde e a Implantação e Implementação de Núcleos de Prevenção à Violência em Estados e Municípios. Brasília/DF: Diário Oficial da União, Seção 1, ano 141, n. 96, p. 52, 20 mai. 2004.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei N° 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Brasília/DF: Diário Oficial da União, Seção 1, ano 143, n. 151, p. 1-4, 8 ago. 2006.

BRASIL. Decreto Nº 7.393, de 15 de dezembro de 2010. Dispõe sobre a Central de Atendimento à Mulher - Ligue 180. Brasília/DF: Diário Oficial da União, Seção 1, ano 147, n. 240, p. 4, 16 dez. 2010.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei Nº 12.845, de 1º de agosto de 2013. Dispõe sobre o atendimento obrigatório e integral de pessoas em situação de violência sexual. Brasília/DF: Diário Oficial da União, Seção 1, ano 150, n. 148, p. 1, 2 ago. 2013.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei Nº 13.104, de 9 de março de 2015. Altera o art. 121 do Decreto-Lei Nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, para prever o feminicídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio, e o art. 1º da Lei Nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o feminicídio no rol dos crimes hediondos. Brasília/DF: Diário Oficial da União, Seção 1, ano 152, n. 45, p. 1, 10 mar. 2015.

BRASIL. Diretrizes Nacionais Feminicídio. Investigar, processar e julgar com perspectiva de gênero as mortes violentas de mulheres. Brasília/DF: ONU Mulheres; Secretaria de Política para Mulheres; Secretaria Nacional de Segurança Pública, 2016.

BRASIL. Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Coronavírus: sobe o número de ligações para canal de denúncia de violência doméstica na quarentena. Gov.br, Assuntos, Notícias, 27 mar. 2020a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria Nº 188, de 3 de fevereiro de 2020. Declara Emergência em Saúde Pública de importância Nacional (ESPIN) em decorrência da Infecção Humana pelo novo Coronavírus (2019-nCoV). Brasília/DF: Diário Oficial da União, Seção 1, ano 158, n. 24-A, p. 1, 4 fev. 2020b.

BROOKS, S. K.; WEBSTER, R. K.; SMITH, L. E.; WOODLAND, L.; WESSELY, S.; GREENBERG, N.; RUBIN, G. J. The psychological impact of quarantine and how to reduce it: rapid review of the evidence. The Lancet, Londres, v. 395, n. 10227, p. 912-920, mar. 2020. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)30460-8.

CAMAN, S.; KRISTIANSSON, M.; GRANATH, S.; STURUP, J. Trends in rates and characteristics of intimate partner homicides between 1990 and 2013. Journal of Criminal Justice, v. 49, p. 14-21, mar./abr. 2017. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jcrimjus.2017.01.002.

CAMPBELL, A. M. An increasing risk of family violence during the Covid-19 pandemic: Strengthening community collaborations to save lives. Forensic Science International: Reports, v. 2, n. 3, p. 100089, abr. 2020. DOI: https://doi.org/10.1016/j.fsir.2020.100089.

CERQUEIRA, D.; FERREIRA, H.; BUENO, S. (Coords.). Atlas da Violência 2021. São Paulo: FBSP, 2021.

COSTA, M. C.; SILVA, E. B.; SOARES, J. S. F.; BORTH, L. C.; HONNEF, F. Mulheres rurais e situações de violência: fatores que limitam o acesso e a acessibilidade à rede de atenção à saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 38, n. 2, e59553, 2017.

DICOLA, D.; SPAAR, E. Intimate partner violence. American Family Physician, Leawood-KS, v. 94, n. 8, p. 646­651, 2016.

DUARTE, M. C.; FONSECA, R. M. G. S.; SOUZA, V.; PENA, É. D. Gênero e violência contra a mulher na literatura de enfermagem: uma revisão. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 68, n. 2, p. 325-332, 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680220i.

EDWARDS, K. M. Intimate partner violence and the rural-urban-suburban divide: myth or reality? A critical review of the Literature. Trauma, Violence, & Abuse, Thousand Oaks, v. 16, n. 3, p. 359-373, 2015. DOI: https://doi.org/10.1177/1524838014557289.

ERTAN, D.; EL-HAGE, W.; TIERRÉE, S.; JAVELOT, H.; HINGRAY, C. COVID-19: urgency for distancing from domestic violence. European Journal of Psychotraumatology, Londres, v. 11, n. 1, p. 1800245, 2020. DOI: https://doi.org/10.1080/20008198.2020.1800245.

ESCRITÓRIO REGIONAL PARA A AMÉRICA CENTRAL DO ALTO COMISSARIADO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA OS DIREITOS HUMANOS – OACNUDH. Modelo de protocolo latino-americano para investigação de mortes violentas de mulheres (femicídios/feminicídios). Brasil: OACNUDH; ONU Mulheres, 2014.

EVANS, D. P.; HALL, C. D. X.; DE SOUSA, N.; WILKINS, J. D.; CHIANG, E. D. O.; VERTAMATTI, M. A. F. “As mulheres têm mais medo da lei que dos agressores”: um estudo sobre a confiança pública na saúde e a reposta jurídica à violência contra mulheres em Santo André, São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 36, n. 10, e00114019, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00114019.

FONG, W. L.; PAN, C. H.; LEE, J. C.; LEE, T. T.; HWA, H. L. Adult femicide victims in forensic autopsy in Taiwan: A 10-year retrospective study. Forensic Science International, [s. l.], v. 266, p. 80-85, 2016. DOI: https://doi.org/10.1016/j.forsciint.2016.05.008

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA – FBSP. Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2021. São Paulo: FBSP, 2021. ISSN 1983-7364. ano 15.

GARCIA, L. P.; FREITAS, L. R. S.; SILVA, G. D. M.; HÖFELMANN, D. A. Estimativas corrigidas de feminicídios no Brasil, 2009 a 2011. Revista Panamericana de Salud Publica, v. 37, n. 4/5, p. 251-257, 2015.

GUERRA, R. Pernambuco tem aumento de 23% nos feminicídios neste ano. É preciso denunciar. Jornal do Commercio, NE10, Colunas, Ronda, 17 nov. 2021.

INGRAM, M. C.; COSTA, M. M. A spatial analysis of homicide across Brazil’s municipalities. Homicide Studies, v. 21, n. 2, p. 87-110, mai. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Bases cartográficas contínuas. IBGE, 2021a.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Diretoria de Pesquisas. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Gerência de Estudos e Análises da Dinâmica Demográfica. Projeção da população do Brasil e Unidades da Federação por sexo e idade, para o período 2000-2030 (edição 2013). DATASUS: TABNET, 2021b.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Portal online cidades e estados. 2023.

KELLER, S. N.; HONEA, J. C. Navigating the gender minefield: An IPV prevention campaign sheds light on the gender gap. Global Public Health, Abingdon-UK, v. 11, n. 1/2, p. 184-187, 2015. DOI: https://doi.org/10.1080/17441692.2015.1036765.

LIMA, J. S.; DESLANDES, S. F. Olhar da gestão sobre a implantação da ficha de notificação da violência doméstica, sexual e/outras violências em uma metrópole do Brasil. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 24, n. 2, p. 661-673, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-12902015000200021.

LYSELL, H.; DAHLIN, M.; LANGSTRÖM, N.; LICHTENSTEIN, P.; RUNESON, B. Killing the mother of one’s child: Psychiatric risk factors among male perpetrators and offspring health consequences. The Journal of Clinical Psychiatry, Memphis, v. 77, n. 3, p. 342-347, 2016. DOI: https://doi.org/10.4088/JCP.14m09564.

MARCOLINO, E. C.; SANTOS, R. S.; CLEMENTINO, F. S.; LEAL. C. Q. A. M.; SOARES, M. C. S.; MIRANDA, F. A. N.; SOUTO, R. Q. O distanciamento social em tempos de Covid-19: uma análise de seus rebatimentos em torno da violência doméstica. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 25, supl. 1, e200363, 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/Interface.200363.

MARGARITES, A. F.; MENEGHEL, S. N.; CECCON, R. F. Feminicídios na cidade de Porto Alegre: Quantos são? Quem são?. Revista Brasileira de Epidemiologia, Rio de Janeiro, v. 20, n, 2, p. 225-236, 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-5497201700020004.

MARQUES, E. S.; MORAES, C. L.; HASSELMAN, M. H.; DESLANDES, S. F.; REICHENHEIM, M. E. A violência contra mulheres, crianças e adolescentes em tempos de pandemia pela COVID-19: panorama, motivações e formas de enfrentamento. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 36, n. 4, e00074420, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00074420.

MASCARENHAS, M. D. M.; SINIMBU, R. B.; SILVA, M. M. A.; CARVALHO, M. G. O.; SANTOS, M. R. D.; FREITAS, M. G. Caracterização das vítimas de violência doméstica, sexual e/ou outras violências no Brasil – 2014. Saúde Foco, Rio de Janeiro, v.1 n. 1, jun. 2016.

MENEGHEL, S. N.; PORTELLA, A. P. P. Feminicídios: conceitos, tipos e cenários. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 9, p. 3077-3086, set. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232017229.11412017.

MICHAU, L.; HORN, J.; BANK, A.; DUTT, M.; ZIMMERMAN, C. Prevention of violence against women and girls: lessons from practice. The Lancet, Londres, v. 385, n. 9978, p.1672-1684, abr. 2014. DOI: https://doi.org/10.1016/S0140-6736(14)61797-9.

OLIVEIRA, C. M.; MOREIRA, M. I. C. Os sentidos produzidos para a violência contra as mulheres a partir da perspectiva dos profissionais da delegacia especializada de atendimento à mulher de Betim-MG. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 22, n. 3, p. 729-748, set./dez. 2016. DOI: 10.5752/P.1678-9523.2016V22N3P729.

OLIVEIRA, R. N. G.; FONSECA, R. M. G. S. Violence as a research object and intervention in the health field: an analysis from the production of the Research Group on Gender, Health and Nursing. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 48, n. spe2, p. 31-38, dez. 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/S0080-623420140000800006.

ORELLANA, J. D. Y.; CUNHA, G. M.; MARRERO, L.; HORTA, B. L.; LEITE, I. C. Violência urbana e fatores de risco relacionados ao feminicídio em contexto amazônico brasileiro. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 35, n. 8, e00230418, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00230418.

PASINATO, W. Acesso à justiça e violência doméstica e familiar contra as mulheres: as percepções dos operadores jurídicos e os limites para a aplicação da Lei Maria da Penha. Revista Direito GV, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 407-428, jul./dez. 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/1808-2432201518.

PERNAMBUCO. Governo do Estado. Secretaria da Mulher. Protocolo de Feminicídio de Pernambuco: Diretrizes estaduais para prevenir, investigar, processar e julgar as mortes violentas de mulheres com perspectiva de gênero. Pernambuco: Câmara Técnica para o Enfrentamento da Violência de Gênero contra a Mulher do Pacto pela Vida, 2020. 124p.

PERNAMBUCO. Governo do Estado. Secretaria de Defesa Social – SDS. Microdados de Crimes Violentos Letais Intencionais. Recife: SDS/PE, 2021.

PIACENTI, F.; PASQUALI, P. Femicide in Italy, between the years 2000-2012. Rassegna Italiana di Criminologia, Lecce, v. 8, n. 3. p. 181-192, set. 2014.

PIMENTEL, D. R.; OLIVEIRA, C. M.; COSTA, H. V. V.; BARROS, S. C.; BONFIM, C. Análise espacial do feminicídio e fatores associados à violência interpessoal em Pernambuco no período de 2012 a 2016. Revista Latino-Americana de Geografia e Gênero, v. 11, n. 2, p. 146-167, 2020.

QUININO, L. R. M.; VASCONCELLOS, F. H. M.; DINIZ, I. S.; AGUIAR, L. R.; RAMOS, Y. T. M.; BASTIANI, F. Aspectos espacial e temporal e fatores associados à interiorização da Covid-19 em Pernambuco, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 26, n. 6, p. 2171-2182, jun. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232021266.00642021.

RAFAEL, R. M. R.; NETO, M.; CARVALHO, M. M. B.; DAVID, H. M. S. L.; ACIOLI, S.; FARIA, M. G. A. Epidemiologia, políticas públicas e pandemia de Covid-19: o que esperar no Brasil?. Revista Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, v. 28, e49570, 2020. DOI: https://doi.org/10.12957/reuerj.2020.49570.

ROICHMAN, C. B. C. Faca, peixeira, canivete: uma análise da lei do feminicídio no Brasil. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 23, n. 2, p. 357-365, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-02592020v23n2p357.

SÁNCHEZ, O. R.; VALE, D. B.; RODRIGUES, L.; SURITA, F. G. Violence against women during the COVID‐19 pandemic: An integrative review. International Journal of Gynecology & Obstetrics, v. 151, n. 2, p. 180-187, 2020. DOI: https://doi.org/10.1002/ijgo.13365.

SANTOS, E. T. M.; BONFIM, C. V.; OLIVEIRA, C. M.; PIMENTEL, D. R.; SILVA, M. C. Violência doméstica contra mulher e isolamento social durante os estágios iniciais da pandemia COVID-19 em Pernambuco. Feminismos, Salvador, v. 9, n. 1, p. 245-261, abr. 2021.

SHARIFI, A.; GARMSIR, A. R. K. The COVID-19 pandemic: Impacts on cities and major lessons for urban planning, design, and management. Science of The Total Environment, Amsterdam, v. 749, 142391, 2020. DOI: https://doi.org.10.1016/j.scitotenv.2020.142391.

SHEEHAN, B. E.; MURPHY, S. B.; MOYNIHAN, M. M.; FENNESSEY, E. D.; STAPLETON, J. G. Intimate partner homicide: New insights for understanding lethality and risks. Violence Against Women, California, v. 21, n. 2, p. 269-288, fev. 2015. DOI: https://doi.org.10.1177/1077801214564687.

SIGNORELLI, M. C.; TAFT, A.; PEREIRA, P. P. G. Violência doméstica contra mulheres, políticas públicas e agentes comunitários de saúde na Atenção Primária Brasileira. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 93-102, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018231.16562015.

SILVA, R. M.; CARDOSO, F. S. Violência doméstica: um estudo sobre a situação psicossocial de mulheres atendidas numa delegacia de polícia, em Minas Gerais. Pretextos, Belo Horizonte, v. 2, n. 3, p. 307-325, 2017.

SILVA, C.; MELO, S.; SANTOS, A.; JUNIOR, P. A.; SATO, S.; SANTIAGO, K.; SÁ, L. Spatial modeling for homicide rates estimation in Pernambuco State-Brazil. International Journal of Geo-Information, v. 9, n. 12, p. 740-758, dez. 2020. DOI: https://doi.org/10.3390/ijgi9120740.

SOUZA, L.; CORTEZ, M. B. A Delegacia da Mulher perante as normas e leis para o enfrentamento da violência contra a mulher: um estudo de caso. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 48, n. 3, p. 621-639, 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-76121141.

SOUZA, N. F.; SOUZA, M. B. Os indicadores de violência doméstica contra a mulher no município de Triunfo. Revista Sociais e Humanas, Santa Maria, v. 30, n. 1, jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.5902/2317175826060.

VELASCO, C.; GRANDIM, F.; CAESAR, G.; REIS, T. Assassinatos de mulheres sobem no 1º semestre no Brasil, mas agressões e estupros caem; especialistas apontam subnotificação durante pandemia. G1, Monitor da Violência, Notícia, 16 set. 2020.

VELOSO, M. M. X.; MAGALHÃES, C. M. C.; DELL’AGLIO, D. D.; CABRAL, I. R.; GOMES, M. M. Notificação da violência como estratégia de vigilância em saúde: perfil de uma metrópole do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 5, p. 1263-1272, mai. 2013. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000500011.

VIEIRA, E. M.; HASSE, M. Percepções dos profissionais de uma rede intersetorial sobre o atendimento a mulheres em situação de violência. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, v. 21, n. 60, p. 52-62, jan./mar. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622015.0357.

VIEIRA, P. R.; GARCIA, L. P.; MACIEL, E. L. N. Isolamento social e o aumento da violência doméstica: o que isso nos revela?. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 23, e200033, 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-549720200033.

WEIL, S. Two Global Pandemics: Femicide and COVID-19. Trauma and Memory, Roma, v. 8, n. 2, p. 110-112, 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.12869/TM2020-2-03.

WORLD HEALTH ORGANIZATION – WHO. Director‐General's opening remarks at the media briefing on COVID‐19. WHO, Diretor Geral do WHO, Discurso, 11 mar. 2020a.

WORLD HEALTH ORGANIZATION – WHO. WHO Director-General's statement on IHR Emergency Committee on Novel Coronavirus (2019-nCoV). WHO, Diretor Geral do WHO, Discurso, 30 jan. 2020b.

Publicado

01-08-2023

Como Citar

VIEIRA DO BONFIM, Cristine; PIMENTEL, Dayane da Rocha; MARIA DE OLIVEIRA, Conceição; CARVALHO DE BARROS, Sheyla; THAIS MELO DOS SANTOS, Emylle; PRISCILA DE SANTANA CABRAL SILVA, Amanda. Homicídios femininos e feminicídios: antes e durante a pandemia de Covid-19 no estado de Pernambuco, Brasil. Revista Brasileira de Segurança Pública, [S. l.], v. 17, n. 2, p. 288–311, 2023. DOI: 10.31060/rbsp.2023.v17.n2.1668. Disponível em: https://revista.forumseguranca.org.br/index.php/rbsp/article/view/1668. Acesso em: 28 maio. 2024.