Lacunas sociais no combate à violência de gênero

Autores

  • Fernanda Ledesma Faculdades Santa Cruz de Curitiba

DOI:

https://doi.org/10.31060/rbsp.2019.v13.n1.829

Palavras-chave:

Violência de gênero, Fatores socioculturais, Lacunas sociais

Resumo

Várias campanhas de conscientização têm sido veiculadas no intuito de prevenir e coibir a violência de gênero. Divulga-se, nos mais variados meios publicitários e sociais, o que caracteriza a violência e incentiva-se a notícia crime (notitia criminis). Todavia, questiona-se se somente ações como essas e a criação de leis são suficientes para refrear esse tipo de violência. Assim, o presente trabalho objetiva o entendimento de fatores históricos e socioculturais que fazem com que a própria mulher aceite a violência contra si e contribua, ainda que involuntariamente, para a perpetuação dessa cultura, bem como analisa o papel das instituições-chave que moldam e direcionam a sociedade na articulação de ações para a transformação dessa realidade. Em suma, busca encontrar e explicar as lacunas sociais que fazem com que o combate à violência de gênero não se efetive.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Ledesma, Faculdades Santa Cruz de Curitiba

Especialista em Segurança Pública pela Uniasselvi/Verbo Jurídico. Graduada em Administração de Empresas pela Universidade Estadual do Centro-Oeste. Estudante de Direito das Faculdades Santa Cruz de Curitiba.

Referências

ARRAES, Jarid. Para as recalcadas, com amor. Portal Fórum, Porto Alegre, 2015.

BORDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução Maria Helena Kühner. 11. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

CERRUTI, Marta Quaglia. (2007), Bate-se em uma mulher: impasses da vitimização. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) – Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007. DOI: https://doi.org/10.11606/D.47.2007.tde-12062008-163549.

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. Processo Administrativo Disciplinar N° 1.00162/2015-03. Requerente: Corregedoria Nacional do Ministério Público. Requerido: Douglas Ivanowski Kirchner. Relator: Leonardo Henrique de Cavalcante Carvalho. Brasília, DF, 29 mar. 2016.

DIAS, Maria Berenice. Liberação Masculina. Rio Grande do Sul, 2010.

DIAS, Maria Berenice. Nem Marias, Nem Madalenas. Rio Grande do Sul, 2015.

FREIRE, Paulo. Educação e Mudança. 12ª Edição - Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

IPEA. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Tolerância social à violência contra as mulheres. Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República: Brasília, DF: Ipea, 2014.

JALES, Luanna. “Casada e submissa” – Best Seller fala sobre o papel da mulher na sociedade. 2013.

KATZ, Jackson. (Novembro de 2012), Violence against women – it's a men's issue. In: TEDXFIDIWOMEN, 2012.

MENDES, Mary Alves; SILVA, Poliana Sousa. Gênero, educação e violência: a influência do processo de socialização e qualificação profissional nas DEAMS. In: ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 6., 2010, Teresina. Teresina: Universidade Federal do Piauí, 2010.

MENDES, Soraia da Rosa. (Re)pensando a criminologia: reflexões sobre um novo paradigma desde a epistemologia feminista. 2012. Tese (Doutorado em Direito) ¬ Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

PEREIRA, Mariliz. Segurem suas cabras que meu bode está solto. Revista da Folha de São Paulo, São Paulo, 2015.

PINAFI, Tânia. Violência contra a mulher: políticas públicas e medidas protetivas na contemporaneidade. Revista Histórica, n. 21, abr./maio 2007.

PIOVESAN, Flávia. PIMENTEL, Silvia. Combate à cultura da violência. O Globo, 17 ago. 2017.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Cadernos Pagu, n. 16, p. 115-136, 2001.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: FundaçãoPerseu Abramo/Expressão Popular, 2004.

SÁNCHEZ, Jesús Alfredo Whaley. 1Violência Intrafamiliar: Causas, Biológicas, Psicológicas, Comunicacionales e Interaccionales. Madrid: Plaza Y Valdés, 2001.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez, 2007.

WEIS, Luiz. Aristóteles – Máquina de pensar. SuperInteressante, 1990.

ZAHIR, I. Italiana escreve livro sobre submissão feminina: “A mulher tem que ser doce para que o homem sinta o desejo de dar a vida por ela”. Marie Claire, 2013.

Downloads

Publicado

20-09-2019

Como Citar

LEDESMA, Fernanda. Lacunas sociais no combate à violência de gênero. Revista Brasileira de Segurança Pública, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 17–34, 2019. DOI: 10.31060/rbsp.2019.v13.n1.829. Disponível em: https://revista.forumseguranca.org.br/index.php/rbsp/article/view/829. Acesso em: 17 jun. 2024.